Projeto Spurgeon 10 anos

Essa semana faz 10 anos que criei o Projeto Spurgeon – Proclamando a Cristo crucificado. Na época era apenas um blog para postar algumas traduções caseiras, hoje é um dos maiores sites da internet em portugues sobre a vida e obra de Charles Haddon Spurgeon. Creio que por ele o Senhor abençoou muitos, e o Senhor abençoou (em 2012 principalmente) e ainda abençoa minha vida. Certamente nesses 10 anos o interesse sobre o Spurgeon cresceu absurdamente (Só ver o quanto existe de outros sites, livros e devocionais dele hoje em comparação) e acredito que nosso Projeto teve um papel nesse aumento de interesse que só o Senhor pode mensurar. Hoje em dia trabalhamos nas redes mais com o Projeto Castelo Forte http://projetocasteloforte.com.br/ , pois centralizamos o trabalho lá, mas não poderia perder a oportunidade de louvar ao Senhor pelos 10 anos de onde tudo começou 🙂 Armando Marcos – editor e criador de Projeto Spurgeon e Projeto Castelo Forte

“Não tenho religião, tenho Cristo”. Você tem certeza disso??

Por ‎Armando Marcos 

O que é a religião? É Deus colocando-Se em comunicação com o homem, o Criador com a criatura, o infinito com o finito – Spurgeon 

Hoje em dia, o termo “religião” é muito mau visto e utilizado, tanto entre incrédulos e de certa forma bastante inusual até, entre crentes. Muitos , quanto contestados, apressadamente dizem “não ter religião, e sim Cristo”, colocando claramente que “Religião= má” e “Cristo=bom”. Em um primeiro momento isso pode ser visto como algo correto e até esperado, afinal não somos pessoas antiguadas e muito menos pessoas farisaicas. Porém, Irei enumerar algumas considerações sobre o uso do termo, e considerar que sim devemos aceitar que nós como crentes em Cristo temos uma certa religião, como ele deve ser por sua própria natureza a única verdadeira, e pretendo destrinchar aspectos de como ela é e deve se manifestar em nossas vidas nesse pequeno artigo.

  1. Jesus é a unica religião verdadeira no sentido pleno

Os antigos reformadores e, posteriormente, os protestantes evangélicos em geral, costumavam distinguir em seus escritos e tratados claramente entre a “religião verdadeira” e a “religião falsa”: é comum ler, por exemplo, as obras de Calvino, Wesley, Whitefield, Bunyan e Spurgeon, pessoas de séculos diferentes, e notar que eles usavam constantemente essa distinção. No século XVI e XVII, o papismo romano era sempre atacado como a religião falsa que usurpava o nome de cristianismo, e as outras religiões (normalmente os antitrinitarianos, turcos e sarracenos, nome dado aos mulçumanos) como aquelas que legitimamente estavam trilhando o caminho da falsa religião aberta. Porem, ainda assim, a ideia de “religião” não era rejeitada em si mesma, principalmente e mesmo depois do século XVIII com o florescimento do Iluminismo e do Ateísmo moderno.

Depois do inicio do século XX, o termo “religião” foi visto e aplicado  de forma quase sempre negativa e associado a coisas rigidas e sem vida. Mas se avaliarmos corretamente o seu significado, veremos que verdadeiramente o cristianismo é uma religião e sim Cristo pregou certa religião.

O termo “Religião”, segundo o Wikipedia, significa do latim: religare, religação com o divino. Porem, que sempre teve a ideia de forma de espiritualidade, à parte do “secular”: na própria página do Wikipédia diz :

é um conjunto de sistemas culturais e de crenças, além de visões de mundo, que estabelece os símbolos que relacionam a humanidade com a espiritualidade e os valores morais.

No caso do cristianismo, admitimos que ele se constitui de um sistema e visão de mundo simbólicos e reais de distinção próprios, mas ele é isso apenas na superfície, talvez como expressão do seu âmago mais profundo! Quanto a questão de que eles expressam o relacionamento da humanidade com a divindade, segundo o termos, a religião verdadeira é JUSTAMENTE o contrário! As religião falsas, da perspectiva cristã, essas sim, são as que tentam colocar o homem depravado e morto pelo pecado num falso caminho de sozinho ou com uma força própria falsa, no caminho direto dessa “re-conexão”. Porém, só em Jesus que é quem “religa” o homem caído a Deus, só pelo caminho de Cristo, que é o próprio Cristo, por meio da fé em Seu sacrificio, que seguimos a essência da palavra religião! (João 14:6).

Voltando ao sentido histórico, a religião verdadeira é aquela única em que Cristo é o caminho, e a única que segue os preceitos de Cristo acima dos humanos: e nesse sentido, é o contrário da práxis de outras expressões religiosas que colocam o homem como centro ultimo da religação com o divino.

‎II. Tiago define a verdadeira religião

Em Tiago 1:26-27 diz Se alguém entre vós cuida ser religioso, e não refreia a sua língua, antes engana o seu coração, a religião desse é vã. A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo.”

Isso tem tudo haver com a prática coerente com a religião verdadeira: demostra uma mudança de coração, o coração regenerado por Cristo pelo poder do Espírito (João3) o amor ao próximo e se afastar do que o mundo nos oferece que nos contamina (1 João 2) . Claro que não somos ainda perfeito como seremos depois, na Glória em Cristo, mas isso não exclui a teologia correta da prática da religião verdadeira, que só pode vir de um coração regenerado e alocado agora sim na “religião verdadeira” de Cristo. Por isso mesmo, mostrando em atos e em ações, como o próprio Cristo verdadeiramente ensinou e exemplificou. Em suma, a declaração de Tiago não contradiz as explanações de Paulo, Pedro e Cristo mesmo, por exemplo. Porem, não é desculpa para o desleixo.

3º A religiosidade é formalista: é mesmo?

Hoje em dia, o termo religiosidade tomou a forma de algo ruim e formal: os maiores exemplos nesse sentido são os fariseus e saduceus, e depois, com os séculos, aqueles praticantes de ritos que não condizem com a realidade bíblica e com a coerência entre fé e obras (professa uma coisa e pratica outra.)

Sim, nesse sentido, sempre houve a há religiosidade, mas essa é uma falsa religiosidade: a verdadeira religiosidade tem a ver com fé real, o comprometimento na verdade e a prática de boas obras que glorifiquem a Deus em amor: não pode-se sobrepor uma sobre a outra : não podemos valorizar demais a ortodoxia que não se preocupa com a vida prática, e nem desprezar a teologia e fé baseada na revelação de Deus, a Bíblia, por sobre essa.

  1. O argumento “da falsa religião” é usado de forma descontrolada

Muitos, assim que contestados sobre alguma prática nova ou novidade religiosa e interpretativa, logo recorrem ao argumento da religiosidade como argumento de defesa e de ataque: porem, como já dito antes, ele não pode ser usado a torto e a direito, pois é contra o uso e definição do cristianismo, bem como contrária até mesmo a história clássica protestante.

  1. Uma reposta a uma possível contra-apelação

Alguém pode argumentar com o fato de Paulo ter dito “Sabendo de mim desde o princípio (se o quiserem testificar), que, conforme a mais severa seita da nossa religião, vivi fariseu “(Atos 26:5)

Em relação a isso, pode-se afirmar exatamente que a primeira forma de religião de Paulo, a farisaica, no sentido do termo em si, era uma falsa religião, pois de acordo com vários princípios, se baseava:

  1. a) Em falso zelo (Romanos 10:2)
  2. b) No judaísmo caduco depois Cristo (pois em Cristo a as promessas são cumpridas e os sacrifícios expiatórios sem mais necessidade, pelo cumprimento em Cristo)
  3. c) No apreço por obras como garantia e direito da salvação (Efésio 2:9)
  4. d) Pela falta de amor e falta do conhecimento de Cristo e de sua salvação (no sentido espiritual e escriturístico, pois ele certamente soube da crucificação de Cristo)

Espero ter mostrado um pouco que o uso do termo religião pelos protestantes deve ser mais bem avaliado. Antes de usar a ideia de que “não tenho religião, tenho Cristo”, como um clichê vazio, devemos perceber que todos aqueles que tem fé em Cristo verdadeiramente sim possuem uma religião, uma religião que , sendo inerente ao sentimento humano dado por Deus (Romanos 1) agora é direcionado verdadeiramente pela verdadeira religião. Isso é um incentivo ao evangelismo, pois nos tira do comodismo de achar que “todas as religiões levam a Deus”. Não, não levam, Paulo em Atenas viu a religiosidade falsa e mesmo admitindo que os gregos adoravam ou tinham algum tipo de percepção turva do Deus para eles desconhecido (Atos 17), ela era insuficiente para salvação, e Paulo pregou o evangelho contra essa falsa religião. Numa era secular pós moderna onde muitos querem ser individualistas ou modernos demais e a religião ou é vista como coisa velha ou sofre tentativa de adaptação, devemos ter a ousadia de assumir nossa verdadeira religião que não deve estar baseada na areia (Mateus 7).

Armando Marcos é editor do Projeto Castelo Forte  e membro da Igreja Presbiterana da Barra Funda, em São Paulo.

INDICAÇÃO: Curso Fiel de Liderança

Com grande alegrias indicamos em parceria com o Ministério Fiel o Curso Fiel de Liderança, na modalidade CFL Assinatura

O CFL Assinatura  é um verdadeiro “Netflix” de Teologia. Nesse plano o assinante paga R$ 29,90 por mês para ter acesso a todos os cursos do portal. São mais de 20 cursos já disponíveis e todo mês pelo menos um curso novo é lançado.

Por meio da CFL Assinatura , você pode fazer no seu tempo e na comodidade de seu lar diversos cursos para capacitar seu ministério em sua igreja local e serviço para o Reino, com cursos em vídeos exclusivos tratando das mais diversas áreas do conhecimento teológico, prática ministerial  e da história da Igreja com os mais conhecidos professores e doutores em Teologia Reformada do Brasil e de diversos outros lugares. Tenha aulas com Augustus NIcodemus, Jonas Madureira, Mauro Meister, R.C.Sproul, John Piper, Mark Dever e diversos outros.

TODOS os cursos concluídos dão direito a certificados comprovando a realização dos mesmos,  na modalidade de cursos livres on-line de acordo com o decreto presidencial nº 5154/04

PARA ter acesso faça sua assinatura em nosso linK exclusivo AQUI ou no banner na lateral do site

Audiobook do livro “Sermões para Crianças” de J.C.Ryle GRÁTIS PARA DOWNLOAD

 

Com grande alegria lançamos para edificação de nossos leitores e salvação de pecadores em Cristo o nosso Audiobook do livro “Sermões para Crianças”, de J.C.Ryle

Você pode comprar o ebook na Amazon e apoiar nosso Projeto AQUI

Narração de Abel Luna

Você pode fazer download  de cada capitulo abaixo separadamente (os arquivos têm em média 9, 10 mbs)

1 As Duas Ursas

2 Crianças que andam na verdade

3 Pequeno e Sábio

4 A pequena Garota Feliz

5 Chega de Choro

6 O dia das pequenas Coisas

7 Buscando cedo o Senhor

 

As 8 Coisas que Cristo Realizará – D.L.Moody

Um sermão pregado no século 19

Por D.L.Moody

Na Inglaterra

BAIXE EM PDF

Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”. Mateus 11:28-30

Desejo chamar vossa atenção para as oito coisas que Cristo realizará.

A primeira coisa é achada em Mateus 11: 28-30. Nunca vi uma pessoa que não quisesse descansar. Não existe homem ou mulher na face da terra que não precise de descanso. Lemos do rico que derrubou seus celeiros e edificou maiores e que disse à sua alma: “Alma, descanse, tens muito armazenado”. Os comerciantes se esforçam dia e noite para amontoarem dinheiro, a fim de serem capazes de descansar. Os homens deixam suas famílias e amigos e dão a volta ao mundo para ganhar dinheiro, com a esperança de descansar. Os marinheiros enfrentam as ondas e ficam longe de casa durante meses para conseguir dinheiro a fim de que ele os leve ao descanso. De fato, se o descanso estivesse no mercado para ser comprado, haveria centenas de pessoas em Londres que o comprariam, até mesmo por preços muito altos, mas ainda que o dinheiro não o possa comprar, ao crer na palavra de Deus podemos obtê-lo sem dinheiro e sem preço. Continue lendo