Personagens da Reforma – dia 16 “Guillaume Farel. O zeloso fogo francês da Reforma”

Este artigo pertence a uma série intitulada Projeto Reforma, uma compilação de escritos sobre a celebração do Dia da Reforma Protestante publicados pelo site “Soldados de Jesuscristo” em espanhol . Tradução ao português via Projeto Castelo Forte. CONFIRA os outros dias AQUI

por Johnathon Bowers

Lemuel  Haynes  enfatizou em um sermão de 1791 “Nada é mais evidente do que o preconceito dos homens contra o evangelho. É desta fonte que aqueles que a defendem são recebidos com tanto desprezo ”( The Faithful Preacher , 25 ). Guillaume  Farel , o reformador francês, experimentou sua cota de desprezo.   

Um fervoroso ministro do evangelho,  Farel  passou seus dias defendendo a causa protestante frequentemente do lado da oposição no debate. Às vezes, a oposição surgiu do preconceito ao verdadeiro evangelho. Porém, em outras ocasiões, própria imprudência de  Farel  foi a causa da oposição recebida. Calvino observou que, de vez em quando,  Farel  “se deixava levar pela veemência de seu zelo” ( Calvino , 152). Ao misturar seu temperamento teimoso com profunda preocupação com a devoção bíblica,  Farel  lutou resolutamente pela fé e foi fundamental na causa da Reforma Francesa.  

“O papado saiu do meu coração” 

Farel  nasceu em 1489 em Gap, França, e cresceu em uma família católica devota. Quando tinha vinte anos, ele entrou na Universidade de Paris para estudar teologia. Enquanto isso,  Farel  encontrou o estudioso humanista Jacques Lefevre  d’Étaples , um homem cuja devoção a Cristo o inspirou.  

Depois de se formar em 1517,  Farel  começou a lecionar no  Collège  du Cardinal Lemoine. Relatórios dos esforços de reforma na Alemanha chegaram até ele, fortalecendo sua própria convicção de que a adoração e os ensinamentos do catolicismo haviam se desviado de suas raízes bíblicas. Enquanto estudava as Escrituras por vários anos,  Farel  descobriu que “pouco a pouco o papado saiu do meu coração” ( William  Fare , 26) 

Farel  renunciou ao cargo de professor e em 1521 começou a promover a mensagem de reforma onde quer que fosse. Ele pregou na França e nas regiões de língua francesa da Suíça ao cruzar caminhos com Johannes Oecolampadius na Basileia e Wolfang Capito e Martin  Bucer  em Estrasburgo. Farel  ficou conhecido por seu estilo polêmico que o levou a ouvir este aviso de  Oecolampadius : “o quanto mais propenso você está à violência, mais você deve trabalhar em ser gentil e atenuar as suas explosões de leão por um espírito de uma pomba” (William  Farel , 38) 

Colaborador de Calvino

Em 1533, após uma visita malsucedida no ano anterior,  Farel  se estabeleceu em Genebra com a intenção de que a cidade adotasse a Reforma. Suas expectativas se concretizaram em 1536, quando o Conselho Geral de Genebra se aliou oficialmente ao protestantismo.  

Foi nesse mesmo ano que  Farel  persuadiu Calvino a se juntar ao seu trabalho. Calvino estava viajando por Genebra a caminho de Estrasburgo, em busca de uma vida tranquila de acadêmico. Farel  soube da presença de Calvino na cidade e o convenceu a ficar. Quando os apelos mais gentis se mostraram infrutíferos,  Farel  ameaçou Calvino com o julgamento de Deus. As palavras  de Farel o  marcaram. Posteriormente, Calvino escreveu “Por causa dessa imprecação fiquei tão aterrorizado que desisti do caminho que estava tomando” (William  Farel , 69) 

A decisão de ficar em Genebra foi crucial para Calvino, pois embora ele e  Farel  tenham sido expulsos da cidade em 1538, ambos entraram em confronto com os magistrados por questões eclesiásticas. Calvino retornou a Genebra em 1541 e ministrou lá pelo resto de sua vida. Farel  mudou-se para  Neuchatel , uma cidade onde ele e Antoine  Froment  introduziram o ensino da Reforma em 1530. Como Calvino em Genebra,  Farel  se estabeleceu em  Neuchatel  até sua morte em 1565.  

Calvino e  Farel  mantiveram um relacionamento próximo depois do tempo que passaram juntos em Genebra, mantendo contato pelo menos uma vez por mês durante vinte anos. Os dois, juntamente com Pierre  Viret  em Lausanne, formaram uma união crucial que ajudou a promover a causa da Reforma na França. Infelizmente, relacionamento de Calvin e  Farel  acabou quando, em 1558,  Farel  anunciou seu noivado com Marie Thorel, uma adolescente cinquenta anos mais nova. Embora parecesse não haver indecência sexual envolvida, esse casamento causou um escândalo dada a grande diferença de idade entre os cônjuges. A amizade de Calvino com  Farel  nunca recuperou o antigo esplendor.  

Um amante e um guerreiro 

Por mais polêmico que  fosse, Farel estava comprometido com a vitalidade espiritual do povo de língua francesa. Ele produziu algumas das primeiras obras da Reforma disponíveis em francês, escrevendo um comentário sobre o Credo dos Apóstolos e a Oração do Senhor em 1524 e um resumo do ensino da Reforma em 1529.  

Em seus escritos,  Farel  mostrou um interesse particular no assunto da oração. Em um artigo intitulado ” Espiritualidade de Guillaume  Farel ” , Theodore Van  Raalte  argumenta que a ênfase  de Farel  na oração nos mostra uma parte dele que é comumente ignorada e comumente marcada por “profunda devoção e amor pastoral”. Farel  era amante e guerreiro, pastor e lutador. Quaisquer que sejam seus defeitos, esse francês indisciplinado amava o evangelho e dedicou sua vida a compartilhar suas riquezas. 

FONTE: https://somossoldados.org/guillaume-farel-1489-1565-la-marca-de-fuego-francesa/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.