Personagens da Reforma – 25° “Heinrich Bullinger. A majestosa barba de Zurique”

Este artigo pertence a uma série intitulada Projeto Reforma, uma compilação de escritos sobre a celebração do Dia da Reforma Protestante publicados pelo site “Soldados de Jesuscristo” em espanhol . Tradução ao português via Projeto Castelo Forte. CONFIRA os outros dias AQUI

Por David Mathis

Em uma época em que o celibato sacerdotal, com os rostos barbeados dos padres, separava as pessoas dos leigos, os reformadores protestantes deixaram crescer a barba para provar um ponto de vista. Eles estavam restaurando a masculinidade e a humanidade da liderança da igreja, embora não tenham medo de tê-lo estampado em seus rostos.

Diz-se que Heinrich Bullinger, o líder dos ministros da cidade suíça de Zurique, tinha a melhor barba de todas. Um historiador descreve Bullinger como “majestosamente denso” – e ele não estava completamente fora de contato com a teologia que ele tão cuidadosamente moldou e alimentou no início da primeira perda chocante da Reforma.

Protestante e pregador

Bullinger, filho de um padre católico, nasceu na cidade suíça de Bremgarten em 1504. Ele frequentou a Universidade de Colônia, na Alemanha, em 1519, onde estudou ciências humanas, não teologia medieval. Durante seu tempo lá, ele testemunhou uma queima de livros de Lutero, o que despertou seu interesse. Ele decidiu ler o Reformador por si mesmo, e o fez, o que virou seu mundo de cabeça para baixo. Ele estava agora com dezoito anos e havia se convertido ao protestantismo.

Em 1523, um ano após sua conversão, Bullinger conheceu Ulrich Zwinglio (1484-1531), que se converteu em 1519 na mesma época que Lutero, e que rapidamente se tornou o líder da Reforma Suíça. Zwinglio era vinte anos mais velho que Bullinger, mas os dois se tornaram aliados e, oito anos depois, suas vidas estavam para sempre conectadas quando o desastre atingiu o nascente movimento reformista.

Sucessor de Zurique

Zwinglio não era apenas pastor em Zurique, mas também capelão do exército. Em 11 de outubro de 1531, o grande reformador juntou-se à Batalha de Kappel para defender a cidade das forças católicas. Ele foi ferido, mais tarde encontrado pelo exército invasor e executado.

Após a perda dos protestantes, a cidade natal de Bullinger, onde agora pastoreava uma igreja protestante, foi ameaçada. Ele fugiu de Zurique. Lá ele recebeu em sua própria casa a esposa sobrevivente e os filhos de seu amigo morto, e algumas semanas depois ele foi escolhido como seu sucessor, sendo nomeado ministro-chefe de Zurique, cargo no qual Bullinger permaneceria por 44 anos, a partir dos 27 anos até sua morte, aos 71, em 1575.

Uma primitiva teologia da aliança

Quantas vezes a história combina as forças de grandes homens com as fraquezas que as acompanham! Uma das contribuições características de Bullinger foi sua forma primitiva de “teologia da aliança”. Aqui, ele seguiu os passos de Zwínglio, que organizou sua teologia com base no tema da aliança, em vez de seguir as categorias medievais.

Zwinglio colocou o centro de sua teologia na aliança de Deus com Adão na criação. Bullinger amadureceu e modificou essa teologia para se concentrar em Abraão, um passo na direção certa; no entanto, como aponta o historiador David Steinmetz, ambos colocaram o centro gravitacional de sua teologia no Antigo Testamento em vez do Novo. Os pontos fortes incluíam ler a Bíblia inteira como uma história; as fraquezas incluíam uma tendência para minimizar (ou rejeitar) descontinuidades reveladas no Novo.

Em suma, Zwinglio e Bullinger leram a Bíblia inteira, mas ainda permaneceu uma Bíblia plana. O que ainda não está claro é o quanto aquela teologia do pacto inicial levou a maus tratos aos chamados anabatistas de Zurique (“re-batistas”) e quanto ela se desenvolveu como uma resposta a esses “radicais”. Em 1525, Zwinglio e Bullinger defenderam o batismo infantil em uma disputa pública contra os anabatistas, que levou ao eventual afogamento de alguns deles.

Bullinger também seguiu os passos de Zwinglio ao se opor à música congregacional, pelo  risco de ela se tornar um ídolo e impedir a adoração verdadeira. Bullinger aperfeiçoou esse instinto de Zwinglio e o transformou em um princípio, de modo que a música congregacional não foi restaurada em Zurique até quase 25 anos após a morte de Bullinger.

O pacificador

Porém, sua vida e seu legado permanente não seriam como um divisor, mas como um unificador. Por trás de sua barba majestosa estava um dos maiores corações da era da Reforma, e um de seus mais incansáveis ​​pacificadores. Embora raramente saísse de Zurique, ele se envolveu em volumosa correspondência pessoal (cerca de 12.000 de suas cartas sobrevivem até hoje) para aconselhar e construir uma aliança com líderes reformadores em toda a Europa.

Além de seu dom de pregar, ele era conhecido por sua paciência, sabedoria e espírito generoso. Ele estabilizou a jovem e influente igreja em Zurique, não apenas após a tragédia inicial , mas por mais de quarenta anos. Ele cuidou e expandiu o que Zwinglio começou. De acordo com Steinmetz: “Sem Zwinglio não teria havido Reforma em Zurique; sem Bullinger, ela não teria permanecido.”

FONTE: https://somossoldados.org/heinrich-bullinger-1504-1575-la-majestuosa-barba-de-zurich/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.