Personagens da Reforma – 24° “Conrad Grebel. O reformador radical”

Este artigo pertence a uma série intitulada Projeto Reforma, uma compilação de escritos sobre a celebração do Dia da Reforma Protestante publicados pelo site “Soldados de Jesuscristo” em espanhol . Tradução ao português via Projeto Castelo Forte. CONFIRA os outros dias AQUI

Por Abigail Dodds

O radical entre os radicais. A visão de Conrad Grebel para a igreja é familiar para a maioria dos evangélicos hoje, mas para sua época, fez dele um exilado, não apenas do catolicismo romano, mas até mesmo entre os reformadores.

Grebel nasceu em 1948 em uma família proeminente de Zurique. Em 1524, ele começou sua carreira universitária na Basileia de forma promissora, mas as coisas se complicaram quando ele começou a se opor às opiniões de seu professor e sua vida desordenada levará seu pai a não contribuir com dinheiro. Punido, ele voltou para casa em Zurique, onde conheceu um grupo de humanistas que estudava a Bíblia em grego, hebraico e latim sob as instruções de Ulrich Zwinglio.

Em algum momento, depois de estudar um tempo com Zwinglio, a vida de Grebel mudou. Casou-se com uma mulher de classe inferior à sua, o que gerou um rompimento maior com sua família, e também se converteu, o que também evidenciou em seu estilo de vida. Grebel não demorou muito para se tornar um dos defensores de Zwinglio, o que o levou a ganhar a reputação de uma testemunha talentosa do evangelho.

Disputar e difamar

No entanto, pouco mais de um ano depois, em outubro de 1523, uma disputa começou a surgir entre Zwinglio e Grebel. Qual? A missa. Em uma disputa pública, os dois homens favoreceram a abolição da missa, mas quando Zwinglio viu que o conselho municipal não estava pronto para ir tão longe, ele cedeu. Isso era inconcebível para Grebel, que achava que a Palavra de Deus deveria ser obedecida sem questionamentos. Os dois se sentiram enganados: Grebel sentiu que Zwinglio concordou em fazer o que ele havia condenado como abominável (a continuação da missa), e Zwinglio sentiu que Grebel estava sendo ingrato e exigente.

Essa disputa chegou ao fundo de uma das diferenças mais profundas de Grebel com os principais reformadores: a quem a igreja deve responder? Grebel estava convencido de que o conselho da cidade não tinha autoridade sobre a igreja e seu exercício, ainda mais, eles nem mesmo tinham autoridade sobre a Palavra de Deus. Por outro lado, ele também não achava que a igreja deveria ter autoridade sobre o estado e também se opunha ao dízimo obrigatório e coisas semelhantes. As sementes da separação entre a igreja e o estado começaram a surgir. Para nós, essa separação é tão familiar e normal quanto o ar que respiramos, mas para eles, isso foi revolucionário.

Um banho de água romano

O último aspecto que separou Grabel dos principais reformadores foi o batismo infantil. Grebel esperava que Zwinglio concordasse que o batismo só deveria ser administrado a crentes adultos, mas também não foi esse o caso.

Em 17 de janeiro de 1525, Zwinglio convocou um debate público para forçar o assunto. Grebel foi acompanhado por Felix Manz e George Balurock na defesa do batismo dos crentes. No final, o conselho municipal concordou com Zwinglio e ordenou que o grupo de Grebel parasse de se reunir para estudar a Bíblia. Eles também ordenaram que todas as crianças não batizadas fossem batizadas ou exiladas. A filha de Grebel tinha apenas duas semanas de idade e, nas palavras de Grebel, “ela não vai ser batizada em uma banheira romana” enquanto Grebel viver, o que não seria por muito tempo.

Poucos dias depois do debate, Greleb se encontrou na casa de Felix Manz com os radicais exilados e oficializou o primeiro batismo adulto de Blaurock, um ex-padre agora casado. Nos meses seguintes, Grebel pregou o evangelho “arrependa-se e seja batizado” em St. Gall, e cerca de 500 pessoas responderam de forma assertiva se arrependendo e sendo batizadas.

Grebel foi preso em outubro de 1525. Depois de escapar da prisão no ano seguinte, ele continuou a pregar o evangelho até morrer por conta de uma praga alguns meses depois.

Pregar e obedecer

A força por trás das ações e reformas doutrinárias de Grebel pode ser resumida assim: pregar e obedecer a Palavra sem hesitação. Em suas próprias palavras:

“Busque de todo o coração pregar somente a Palavra de Deus sem medo; estabelecer e defender apenas práticas divinas; estime como bom e justo apenas o que pode ser claramente encontrado nas Escrituras; e rejeitar, odiar e amaldiçoar todas as maquinações, palavras, práticas e opiniões dos homens, mesmo as suas. “

Mesmo que envolva exílio ou coisa pior.

FONTE: https://somossoldados.org/conrad-grebel-c-1498-1526-el-reformador-radical/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.