Personagens da Reforma – dia 1° “John Wycliffe: a estrela da manhã da Reforma”

Este artigo pertence a uma série intitulada Projeto Reforma, uma compilação de escritos sobre a celebração do Dia da Reforma Protestante publicados pelo “Soldados de Jesuscristo” em espanhol . Tradução ao português via Projeto Castelo Forte . CONFIRA os outros dias AQUI

Stephen Nichols

John Wycliffe foi chamado de “A Estrela da Manhã da Reforma”. Embora na realidade não seja uma estrela, mas o planeta Vênus que aparece antes do sol enquanto a escuridão ainda domina o horizonte, a Estrela da Manhã é inconfundivelmente visível.

A escuridão dominou o horizonte do século XIV, século em que Wycliffe (1330-1384) nasceu e morreu. Quase exatamente cem anos antes do nascimento de Lutero. Em sua adolescência, Wycliffe estava em Oxford, Thomas Bradwardine (conhecido como “Doutor Profundus”) ensinou teologia e William de Ockham (que foi apelidado de “Navalha de Ockham”) ensinou filosofia. Em pouco tempo, Wycliffe assumiu seu próprio lugar entre o corpo docente: foi nomeado Magister do Balliol College, lecionou e escreveu sobre filosofia, embora tenha sido cativado pelos estudos bíblicos. Ele se concentrou rigorosamente no estudo da teologia e das Escrituras. Ao fazer isso, ele percebeu o quão a igreja estava errada.

Preparando o cenário

Na década de 1370, Wycliffe escreveu três obras importantes, como uma contra-medida à corrupção da Igreja Católica. A primeira, “On Divine Domain” (1373-1374), apontava para a autoridade papal, pois Wycliffe não conseguia encontrar uma justificativa bíblica para o papado. Na verdade, ele argumentou que o papado entra em conflito e obscurece a verdadeira autoridade da igreja – as Escrituras. A segunda grande obra foi “On the Civil Domain” (1375-1376), na qual Wycliffe enfocou a afirmação da autoridade da Igreja Católica Romana sobre a coroa e a nobreza da Inglaterra. Ele não via razão para o país ser forçado a apoiar uma igreja corrupta. Em sua terceira grande obra, “Sobre a verdade das Sagradas Escrituras” (1378), ele desenvolveu ainda mais a doutrina da autoridade das Escrituras.

Essas três obras foram cruciais para preparar o cenário para a Reforma. Dois professores visitantes de Oxford voltaram com os escritos de Wycliffe para sua cidade natal, Praga, que por sua vez influenciaram Jan Hus. Ele, portanto, se tornaria uma segunda “Estrela da Manhã” da Reforma. Os primeiros escritos de Martinho Lutero revelam as impressões digitais de John Wycliffe, embora sejam importantes, elas empalidecem em comparação com sua contribuição mais importante: a Bíblia de Wycliffe.

A reforma começou com a tradução

Em “A Verdade das Sagradas Escrituras“, Wycliffe pediu que a Bíblia fosse traduzida para o inglês. De acordo com a lei católica romana, traduzir a Bíblia para uma linguagem comum era uma heresia punível com a morte. É quase impossível imaginar por que uma igreja iria querer manter a palavra de Deus longe do povo, a menos que quisesse ter poder sobre o povo. Wycliffe estava mais convencido do poder da palavra de Deus do que do poder do ofício papal. Consequentemente, ele e um grupo de colegas se comprometeram a tornar a palavra de Deus disponível.

A Bíblia não só teve que ser traduzida, mas também copiada e distribuída. Isso foi antes da imprensa (inventada em 1440), então as cópias tinham que ser feitas cuidadosamente à mão. Apesar dos desafios, centenas de Bíblias foram produzidas e distribuídas para o grupo de pastores de Wycliffe, que pregou por toda a Inglaterra enquanto a palavra de Deus se espalhava pelo povo. Os seguidores de Wycliffe passaram a ser chamados de lolardos, enclaves de reforma não apenas na Inglaterra, mas em toda a Europa.

Esses esforços para traduzir, copiar e proclamar a Bíblia em inglês foram motivados por um motivo único, expresso por Wycliffe desta forma: “Ajudar os homens cristãos a estudarem o evangelho na língua que melhor conhecem.” Em seus últimos anos, Wycliffe viu a queda da igreja e da nobreza na Inglaterra e, claro, do papado. Mesmo assim, Wycliffe declarou: “Estou pronto para defender minhas convicções até a morte”, então ele permaneceu convencido da autoridade e centralidade das Escrituras e se dedicou a ajudar os cristãos a estudá-las. Devido a dois derrames, John Wycliffe morreu em 30 de dezembro de 1384.

“Herege” e Herói

Em 1415, o Conselho de Constança que condenou Jan Hus à morte declarou Wycliffe herege. Seus ossos foram exumados e queimados, e as cinzas foram jogadas no rio Swift.

No entanto, os esforços de reforma de Wycliffe não puderam ser apagados pelas chamas ou interrompidos pelas declarações do conselho. Esta estrela da manhã brilhou no horizonte, sinalizando a chegada da luz do dia.

 


Nota Editorial: Este artigo pertence a uma série intitulada Projeto Reforma, uma compilação de escritos sobre a celebração do Dia da Reforma Protestante 

FONTE: https://somossoldados.org/john-wycliffe-la-estrella-de-la-manana-de-la-reforma/ 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.