Sua Igreja tem fantasmas? – Artigo

Ghost statues by artist Jakub Hadrava are placed at the St. George's church near Plzen on November 16, 2014 in Lukova, Czech Republic. Artist Jakub Hadrava created 32 plaster life-size ghost statues, which symbolize Sudeten Germans who lived in the village. St. George's church, which was build in the north-western Bohemian region of the Czech Republic in 1352, fell into disrepair after the roof collapsed during a funeral service in 1968. Hadrava's aim is to make the church more attractive for visitors and to gain money for renovation work. According to voluntary church manager Petr Koukl, about 2500 people from around the world have been visiting the church this year. (Matej Divizna/Getty Images)

por Rev, Ronaldo Vasconcelos

pastor na Igreja Presbiteriana de Santa Maria, Rio Grande do Sul

As igrejas estão cheias de fantasmas!

Mas calma, você não precisa sair correndo, essa não é uma história de terror, apesar de ter um certo drama. Quando falo de “fantasmas” não estou falando daquele que você tem em mente, mas de um outro tipo, menos reconhecível, porém mais presente. São aquelas pessoas que estão ausentes, que parecem ter “morrido” na comunhão da igreja, mas que são tratadas como fantasmas, porque não estão ali, mas todo mundo finge que está.

Vou ser mais claro para os que ainda estão franzindo a testa. As igrejas estão cheias de pessoas ausentes dos cultos, das programações e da vida da igreja, e mesmo assim, ninguém sente a falta delas, ninguém vai atrás delas, a igreja vive como se elas estivessem ali, mas não estão. E enquanto a igreja finge que está tudo bem estas pessoas estão sofrendo, sentindo-se abandonadas e rejeitadas. Muitas estão aprisionadas por causa de pecados, outras porque foram feridas e, ao não seguirem o mandamento de Jesus em Mateus 18.15, cultivam rancor, ira e uma miríade de pensamentos que trazem ainda mais dor ao ferimento.

O que a igreja pode fazer?

A resposta é fácil, mas a ação costuma levar mais tempo. É necessário que a igreja seja de fato um ambiente de amor, perdão e manifestação viva da graça. Para isso é imprescindível que cada membro se percebe como responsável em criar esse ambiente. O pastor, como líder do rebanho, tem a função de estimular e exortar sobre este assunto, porém, ainda que ele visite e vá atrás de todos estes fantasmas, se os membros não fizerem o mesmo o efeito não sairá como esperado. Deixar tudo nas mãos do pastor ou de algum outro oficial é como contratar alguém para comer por você, aquela pessoa que está exercendo amor é nutrida na comunhão, mas você continua desnutrido.

Os fantasmas estão ai, do seu lado, basta vê-los. Quantos você pode lembrar agora, enquanto ler este texto, que eram atuantes membros juntos com você na igreja, mas hoje pouco aparecem, ou mesmo não aparecem mais. O que aconteceu? Será que ele precisa de alguma coisa? Vá atrás agora mesmo. Motive outros a fazer o mesmo. Não vá simplesmente ao pastor, como se você esperasse sempre dele esta preocupação, faça você mesmo. Seja um ativo manifestante da graça e do amor de Deus. Encoraje o irmão que está em dificuldade, e assim, quando você estiver fraquejando outros também farão o mesmo. Um ambiente de amor é um lindo círculo virtuoso, onde todos se beneficiam, e todos podem, a seu devido tempo, edificar e encorajar uns aos outros.

E se você for um destes fantasmas? Não espere para voltar à comunhão da igreja. É lá que você terá a vida circulando em suas veias espirituais. Não dá para ser cristão sozinho, precisamos uns dos outros.

Se você foi ferido por alguém, siga Mateus 18.15-17.

Se você está em pecado, lembre-se Deus concede perdão a todo aquele que se achega a Ele em confissão e contrição (I Jo 1.9).

Se você não tem se sentido parte do corpo, ou percebe-se como alguém rejeitado, não desista. Procure a liderança da igreja, talvez você seja a pessoa que Deus está levantando para reanimar o corpo desacordado pela falta de amor, e através de você Deus pode operar um verdadeiro milagre da comunhão.

Que Deus nos faça ótimos caçadores de fantasmas para sua glória num ambiente de encorajamento mútuo e amor profundo. E que o Espírito Santo alcance os corações daqueles que estão longe e precisam tanto da vida através da comunhão da Igreja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *