Personagens da Reforma – dia 13 “Marie Dentière, a ousada professora da Reforma”

Este artigo pertence a uma série intitulada Projeto Reforma, uma compilação de escritos sobre a celebração do Dia da Reforma Protestante publicados pelo site “Soldados de Jesuscristo” em espanhol . Tradução ao português via Projeto Castelo Forte. CONFIRA os outros dias AQUI

Por Adrien Segal

Nascida em 1495 em uma família nobre em Tournai, França, Marie Dentière foi bem educada, ingressou em um convento agostiniano da ordem de Lutero e provavelmente serviu como madre superiora no início da década de 1520. Marie ficou cativada pelo avanço no Teologia de Martinho Lutero, e ela deixou o convento em 1525 e mudou-se para Estrasburgo para se juntar oficialmente ao movimento da Reforma. Nesse mesmo ano, ela fez um segundo movimento radical ao se casar com Simon Robert, um ex-padre.

A renúncia ao celibato clerical e a exaltação das alegrias do casamento com base nas Escrituras tornaram-se temas fortes do ministério de Marie, especialmente em suas tentativas controversas de converter as freiras em Genebra. Um reformador escreve que Marie e Simon Robert “foram o primeiro casal francês a aceitar uma designação pastoral para a Igreja Reformada”. O casal teve cinco filhos, mas Robert morreu em 1533. Em 1535, Maria se casou com Antoine Froment, outro pastor reformado, e a família mudou-se para Genebra.

De Genebra

Muito do que sabemos sobre Marie Dentière é obtido de três documentos atribuídos a ela. O primeiro deles narra os acontecimentos entre 1532 e 1536 em Genebra, do ponto de vista dos reformadores. Marie Dentière pode ter sido a primeira escritora protestante a fazer um relato de uma testemunha ocular daquela época tumultuada, e ela foi uma das primeiras mulheres, senão a primeira, a articular e defender a teologia reformada em francês.

Porém, muito mais do que historiadora, Marie Dentière também foi uma articulada e  provocadora evangelista. Ela amava e reverenciava a Bíblia, lamentava-se pelo fato de a Igreja Católica ter escondido tanto da Bíblia do povo e anunciava que todas as pessoas, incluindo as mulheres, deveriam ser capazes de ler as preciosas e gloriosas palavras de Deus por si mesmas.

Uma professora reformada?

A obra mais famosa e polêmica de Dentière foi uma carta escrita à rainha de Navarra, intitulada “Uma carta muito benéfica”. A carta é uma profunda defesa bíblica da teologia reformada e um ataque apaixonado à Igreja Católica.

É um trabalho enérgico e envolvente que demonstra extraordinário conhecimento bíblico e compreensão teológica. A agitação pública que causou resultou na prisão do impressor e na destruição da maioria das cópias impressas da obra. Não apenas sua carta condenava o catolicismo romano, como Dentière também defendia os direitos iguais das mulheres de serem teólogas e professoras. Ela escreve:

“O que Deus deu e revelou a nós, mulheres, não devemos esconder e enterrar na terra mais do que os homens. Embora não possamos pregar em igrejas e congregações públicas, não estamos proibidas de escrever e admoestar uns aos outros em todas as obras de caridade. (Epístola a Margarita de Navarra, 53)

Calvino e Marie

Embora Marie apoiasse e defendesse fortemente os líderes reformados, incluindo João Calvino, este estava claramente chateado com Marie, pelo menos durante os primeiros anos de seu ministério, com sua maneira franca, suas ambições teológicas e sua crítica aberta à liderança clerical masculina.

No entanto, por volta de 1561, o ano em que Marie morreu, a tensão entre os dois havia diminuído e o respeito e apreciação de Calvino por Marie aumentaram claramente. Ele até pediu a ela que escrevesse o prefácio de seu sermão impresso sobre a modéstia feminina em 1 Timóteo 2: 8-12. Talvez ironicamente, pode-se argumentar que Calvino lhe pediu para ensinar uma passagem bíblica na qual ensinava exatamente o que ele condenava que ela fizesse…. 

Uma mulher entre os reformadores

Para Marie Dentière, a surpreendente boa nova da graça salvadora e a poderosa mensagem de igualdade perante Deus eram verdades que haviam sido suprimidas pela Igreja Católica e precisavam ser anunciadas do alto por quem as conhecesse na Palavra de Deus. .

Não há dúvida de que lhe faltou o que os da época consideravam adequado: modéstia e humildade femininas, mas graças à sua paixão pelas páginas da Escritura, a sua escrita comoveu e mudou os corações não só nos seus dias, mas também nos nosso. Em 2002, Marie Dentière se tornou a única mulher cujo nome está escrito no famoso Muro dos Reformadores em Genebra.

FONTE: https://somossoldados.org/marie-dentiere-c-1495-1561-la-primera-dama-en-francia/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.