Personagens da Reforma – 32° “Martinho Lutero – O Reformador”

Este artigo pertence a uma série intitulada Projeto Reforma, uma compilação de escritos sobre a celebração do Dia da Reforma Protestante publicados pelo site “Soldados de Jesuscristo” em espanhol . Tradução ao português via Projeto Castelo Forte. CONFIRA os outros dias AQUI

Por John Piper

A ameaça mortal da Reforma foi a rejeição do Papa e dos concílios como autoridade infalível e final da Igreja. O adversário de Lutero, Silvestre Prierias , escreveu: Quem não aceita a doutrina da Igreja de Roma e do Pontífice de Roma como regra de fé infalível, da qual também as Sagradas Escrituras tiram sua força e autoridade, é um herege. ”  (Luther, 193). Consequentemente, Lutero foi excluído da Igreja Católica Romana. “ O que há de novo em Lutero” diz  Heiko Oberman , “é a noção de obediência absoluta às Escrituras contra qualquer autoridade; sejam papas ou concílios ”  (Lutero, 204).  

Essa redescoberta da palavra de Deus sobre todos os poderes terrestres moldou Lutero e toda a Reforma. Mas o caminho de Lutero para essa redescoberta foi tortuoso, começando com uma tempestade aos 21 anos. 

Monge temeroso 

Em 2 de julho de 1505, voltando da faculdade de direito para casa, Lutero foi pego no meio do caminho por uma tempestade e foi jogado no chão por um raio. Ele gritou:  “ Ajude-me, Santa Ana! Vou me tornar um monge ” . Quinze dias depois, para consternação de seu pai, Lutero abandonou seus estudos de direito e manteve sua promessa. 

Ele bateu à porta dos eremitas agostinianos em Erfurt e pediu ao superior que o aceitasse na ordem. Aos 21 anos, ele se tornou um monge agostiniano. Em sua primeira missa, dois anos depois, Lutero ficou tão impressionado com a ideia da majestade de Deus que quase fugiu. O superior o convenceu a continuar. 

Mas esse incidente de medo e tremor não seria um incidente isolado na vida de Lutero. O próprio Lutero mais tarde se lembraria desses anos:  “ Embora eu vivesse como um monge sem censura, me sentia um pecador diante de Deus com uma consciência extremamente perturbada. Não pude acreditar que ele se sentiu apaziguado pela minha satisfação ” ( Martin Luther: Selections from his Writings ) 12).     

Lutero não se casaria até  os  vinte  anos ( com Catarina von Bora,  em 13 de junho de 1525), o  que significa que viveu com as tentações sexuais como solteiro até os 42 anos. Mas no mosteiro”, disse ele , não estava pensando em mulheres, dinheiro ou bens; em vez disso, meu coração temia e estremecia, pensando se Deus me concederia sua graça .” Seu desejo mais ardente era conhecer a felicidade do favor de Deus. Se eu pudesse acreditar que Deus não está zangado comigo “, disse ele ,  ficaria de cabeça para baixo de alegria  

Boas notícias: a justiça de Deus 

Em 1509, o amado superior, conselheiro e amigo de Lutero , Johannes von Staupitz , permitiu que Lutero começasse a ensinar a Bíblia. Três anos depois, em 19 de outubro de 1512, aos 28 anos, Lutero recebeu seu doutorado em teologia, e Staupitz  deu-lhe a cadeira de teologia bíblica na Universidade de  Wittenberg, que Lutero manteve pelo resto de sua vida. . 

Quando Lutero começou a ler, estudar e ensinar as Escrituras nas línguas originais, sua consciência perturbada foi agitada sob a superfície, especialmente quando confrontado com a frase  a justiça de Deus ”  em Romanos 1: 16-17. Para Lutero,  ” a justiça de Deus ”  só poderia significar uma coisa: o castigo justo de Deus para os pecadores. A frase não era  ” evangelho ”  para ele; era uma sentença de morte.  

Mas então, em um momento, todo o ódio de Lutero pela justiça de Deus se transformou em amor. Ele lembra:

“Finalmente, pela misericórdia de Deus, meditando dia e noite, eu prestei atenção para o contexto das palavras, a saber:  ” E no evangelho a justiça de Deus  é revelada , como está escrito:  ” O justo viverá pela fé “” …  E este é o significado: a justiça de Deus é revelada pelo evangelho, isto é, a justiça passiva com que o Deus misericordioso nos justifica pela fé, como está escrito:  ” Mas o justo viverá da fé ” . 

Ele conclui:  Aqui eu senti que havia renascido completamente e que havia entrado no próprio paraíso por portas abertas ” . 

Permanecendo no livro 

Lutero não era o pastor da igreja da aldeia de  Wittenberg , mas compartilhou a pregação com seu amigo, o pastor Johannes  Bugenhagen . O registro atesta como ele era absolutamente dedicado à pregação das Escrituras. Por exemplo, em 1522 ele pregou 117 sermões e, no ano seguinte, 137 sermões. Em 1528, ele pregou quase 200 vezes e, desde 1529, temos 121 sermões. Portanto, a média nesses quatro anos foi de um sermão a cada dois dias e meio. 

Pelos próximos 28 anos, Lutero pregaria milhares de sermões, publicaria centenas de panfletos e livros, suportaria dezenas de controvérsias e aconselharia incontáveis ​​cidadãos alemães;  tudo para divulgar as boas novas da justiça de Deus a um povo preso em um sistema de mérito próprio. Por meio de tudo isso, Lutero tinha uma arma para resgatar esse evangelho da venda nos mercados de Wittenberg as Escrituras. Ele expulsou os cambistas e os vendedores de indulgências com o chicote da palavra de Deus, a Bíblia.  

Lutero disse com força retumbante em 1545, um ano antes de sua morte:  ” Deixe o homem que deseja ouvir Deus falar, que leia as Sagradas Escrituras ” Somente aqui, nas páginas da Bíblia, Deus fala com autoridade final. Somente aqui repousa a autoridade decisiva. Somente daqui o dom da justiça de Deus chega aos pecadores condenados ao inferno. 

Ele viveu o que exortou. Ele escreveu em 1533: “ Por vários anos, leio a Bíblia duas vezes por ano. Se a Bíblia fosse uma árvore grande e poderosa e todas as suas palavras fossem pequenos galhos, eu teria tocado todos os galhos, ansioso para saber o que estava lá e o que ela tinha a oferecer .  Lutero manteve essa prática por pelo menos dez anos . A Bíblia passou a significar mais para Lutero do que todos os pais e comentaristas. 

Aqui Lutero permaneceu, e aqui permanecemos. Não nos pronunciamentos dos papas, ou nas decisões dos concílios, ou nos ventos da opinião popular, mas “naquela palavra acima de  todos os poderes terrenos”:  a palavra viva e permanente de Deus. 

FONTE: https://somossoldados.org/martin-luther-1483-1546-aqui-el-permanecio/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.