Personagens da Reforma – dia 5 “Wibrandis Rosenblatt, a noiva da Reforma”

Este artigo pertence a uma série intitulada Projeto Reforma, uma compilação de escritos sobre a celebração do Dia da Reforma Protestante publicados pelo site “Soldados de Jesuscristo” em espanhol . Tradução ao português via Projeto Castelo Forte . CONFIRA os outros dias AQUI

Por Noël Piper

Em 1504, Wibrandis Rosenblatt nasceu em Säckingen, Alemanha. Nos sessenta anos seguintes, ela se casou e ficou viúva quatro vezes, inspirando um escritor a descrevê-la como a Reformationfrau, “a noiva da Reforma”.

Ludwig Keller

Seu casamento em 1524 com Ludwig Keller durou pouco. Em julho de 1526, quando Wibrandis tinha vinte e dois anos, ela já era viúva e tinha uma filha, também chamada Wibrandis.

Entre os líderes da Reforma, o casamento entre os membros do clero estava se tornando “uma nova forma de servir à comunidade de Jesus Cristo”. Johannes Oecolampadius defendeu publicamente a liberdade dos pastores de se casarem, embora ele próprio fosse solteiro. Wolfang Capito, amigo de Oecolampadius, escreveu: “Se alguém de quem você gosta é indicada para você, acho que você não deveria se recusar a casar. Ter um parceiro com zelo semelhante ao seu será uma glória para o Senhor”.

Johannes Oecolampadius

Alguém deve ter apontado para Wibrandis. Em 15 de março de 1528, ela e Oecolampadius se casaram, causando o arrepio de algumas sobrancelhas pela diferença de idade – 45 e 24 anos – mas causando a alegria da maioria de seus amigos. Ele escreveu em uma carta: “O Senhor me deu uma irmã e uma esposa (…) uma viúva com vários anos de experiência em carregar uma cruz. Eu gostaria que ela fosse mais velha, mas não vejo sinais do mau humor da juventude. Rogo ao Senhor que nos conceda um casamento longo e feliz ”(Mulheres da Reforma, 82).

Os pastores não se casavam há centenas de anos neste ponto da história. Wibrandis e outras esposas dos reformadores do século 16 tornaram-se amigas por meio de cartas, determinando e forjando seu novo papel à medida que o viviam.

Três crianças logo foram adicionadas à família: Eusébio, Aletheia e Irene – antes da morte de Oecolampadius em novembro de 1531 devido ao envenenamento do sangue por um abscesso.

Wolfang Capito

As tendências de Martin Bucer para “Cupído” foram postas em ação. “Minha escolha para Capito é a viúva de Oecolampadius … ele escreve que foi movido para ver a viúva Wibrandis e os filhos órfãos” (Mulheres da Reforma, 85). Wibrandis e Capito se casaram em 11 de agosto de 1532.

Capito era pastor da Igreja Nova de São Pedro, em Estrasburgo. Sua família incluía a mãe de Wibrandis e os quatro filhos de seus casamentos anteriores. Mais cinco filhos nasceram: Agnes, Dorotea, Irene (após a morte de Irene Oecolampadius), Juan Simón e Wolfgang.

“Ela controlou seus hobbies, organizou o orçamento e manteve um ambiente agradável em casa; portanto, suas realizações devem estar nos anais do heroísmo indocumentado ”(Mulheres da Reforma, 87). No entanto, a praga de 1540 levou os filhos Eusébio, Dorotea, Wolfgang e o próprio Capito.

Martin Bucer

A notícia da morte de Capito chegou aos ouvidos de Bucer quando Elisabeth Bucer estava perto da morte. Elisabeth implorou que seu marido e Wibrandis que se casassem depois que ela morresse, e eles o fizeram em abril de 1542.

Brucer escreveu: “Não há nada que falte à minha nova esposa, ela é solicita e atenciosa. Ela não é tão livre em suas críticas quanto minha primeira esposa … Só espero poder ser tão terno com ela quanto ela é comigo. Mas, oh, a dor pela qual perdi! ” (Mulheres da Reforma, 87-88).

Pode-se imaginar uma dor semelhante em Wibrandis por seus três maridos falecidos. Pela quarta vez, ela se adaptou a um novo marido, aprendendo como amá-lo e como apoiar um ao outro de acordo com suas necessidades, ministérios e preferências particulares.

Em 1548, novas leis exigiam que as igrejas protestantes atendessem a certas condições que Bucer não podia abraçar. Ele fugiu para o exílio para a Inglaterra e ensinou em Cambridge, enquanto ajudava na tradução da Bíblia e no desenvolvimento da liturgia. Depois de apenas um ano, sofrendo com o inverno frio e úmido e uma longa lista de doenças físicas, ele pediu a Wibrandis que fosse com ele. Assim foi e eventualmente trouxeram toda a família.

Durante os últimos meses de Bucer, Wibrandis cuidou dele constantemente, fazendo todo o necessário para cuidar também do restante da família, ou seja, dos filhos e de sua mãe. Após a morte de seu marido em fevereiro de 1551, Wibrandis escreveu várias cartas para acertar suas finanças e levar a família de volta para Estrasburgo. Algumas cartas foram escritas em alemão e outras em latim, evidenciando sua facilidade com os idiomas e com a linguagem.

Wibrandis,  a mulher

Para que não sejamos tentados a ver uma mulher passiva arrastada pelas circunstâncias e pelas decisões de homens imponentes, eis a voz enérgica de Wibrandis a seu filho Simón Juan Capito, quando ele estava ausente na universidade:

“Já faz algum tempo que não tenho notícias suas, mas sei bem que, tendo ouvido, a notícia não seria reconfortante … se ao menos eu pudesse viver para o dia em que recebesse boas notícias de você. Então eu morreria em alegria … Se você seguisse os passos de seu pai, sua avó, suas irmãs e seus sogros dariam a vida por você … Se você vai se comportar bem, volte para casa. Se não quiser, faça o que quiser. Desejo a você um bom ano. Sua fiel mãe. (Mulheres da Reforma, 93-94)

Em 1564, a cidade suíça de Basel perdeu 7.000 pessoas para a peste, incluindo Wibrandis Rosenblatt. Ela foi enterrada ao lado de Oecolampadius.

Até hoje, na cidade rural de Bad Säckingen, na Alemanha, existe a Wibrandis-Rosenblatt-Weg, uma pequena rua que leva à margem do rio Reno. Ao lado da rua fica a torre do sino do Evangelische Kirchengemeinde, uma igreja protestante.

FONTE: https://somossoldados.org/wibrandis-rosenblatt-1504-1564-la-novia-de-la-reforma/

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.