Personagens da Reforma – dia 17 “Hugh Latimer e Nicholas Ridley. As velas da reforma inglesa”

Este artigo pertence a uma série intitulada Projeto Reforma, uma compilação de escritos sobre a celebração do Dia da Reforma Protestante publicados pelo site “Soldados de Jesuscristo” em espanhol . Tradução ao português via Projeto Castelo Forte. CONFIRA os outros dias AQUI

por Scott Hubbard

Para aqueles que estão familiarizados com a Reforma Inglesa, o nome Latimer soa incompleto por si só, pois exige a palavra Ridley ao lado dele.

Os bispos Hugh Latimer e Nicolas Ridley estão historicamente unidos. Em primeiro lugar, porque foram martirizados juntos na mesma estaca em 16 de outubro de 1555, no norte de Oxford, embora compartilhassem mais do que o martírio. Os bispos também pertencem à lista dos reformadores mais influentes na Inglaterra: homens e mulheres cuja fidelidade às Escrituras e à glória de Cristo transformaram a Inglaterra de um reino católico em um farol da Reforma.

Latimer e Ridley viveram durante os reinados de quatro monarcas ingleses: Henrique VII, Henrique VIII (aquele com tantas esposas), Eduardo VI e Maria I (também conhecida como “Maria Sanguinária”). Ambos testemunharam o impulso da reforma sob a tentativa de aceitação de Henrique VIII, a calorosa aceitação de Eduardo VI e a violenta resistência de Maria I à reforma doutrinária. Apesar disso, eles eram tudo menos observadores casuais.

O pregador Latimer

Latimer nasceu por volta do ano de 1485 e passou os primeiros trinta anos de sua vida como um católico devoto, ou em suas próprias palavras, um “papista teimoso”. “Eu era papista teimoso como qualquer outro na Inglaterra”, escreveu ele, “de tal forma que, quando me tornei um graduado em divindade, todo o meu discurso foi contra Philip Melanchthon (o braço direito de Lutero)”

No entanto, logo após o discurso anti-reforma de Latimer, um jovem estudante de divindade de Cambridge chamado Thomas Bilney abordou Latimer com um pedido. Latimer permitiria que Bilney explicasse sua fé reformada para ele em particular? Latimer concordou e a partir daquele momento começou a “respirar a Palavra de Deus e abandonar os doutores da igreja junto com suas tolices”. Latimer juntou as flechas que estava atirando contra a Reforma e começou a apontar em outra direção. Ao longo das décadas seguintes, ele foi distinguido como um fervoroso pregador reformado, às vezes desfrutando do favor de Henrique VIII para a Reforma, e outras vezes temendo sua perseguição, dependendo do humor do rei.

Talvez os anos mais frutíferos do ministério de Latimer tenham ocorrido sob o curto reinado de Eduardo VI, de 1547 a 1553. Apesar de sua idade, Latimer ajudou o arcebispo de Canterbury, Thomas Cranmer na reforma da Igreja da Inglaterra e também pregou como um homem que não conseguia fazer outra coisa que não pregar. De acordo com J.C.Ryle, “Provavelmente nenhum dos Reformadores semeou as sementes da doutrina protestante de forma tão ampla e eficaz entre as classes média e baixa como Latimer”.

Então, em 1553, a Rainha Maria chegou ao poder e Latimer foi enviado para uma cela na Torre de Londres.

O estudioso Ridley

Ridley, vinte anos mais novo que Latimer, nasceu por volta de 1502 perto da fronteira com a Escócia. Nas cinco décadas seguintes, ele foi um dos intelectuais mais brilhantes da Inglaterra, tanto que memorizou todo o Novo Testamento em grego.

Depois de frequentar o Cambridge Pembroke College na adolescência, Ridley continuou seus estudos na França, onde provavelmente encontrou os ensinamentos da Reforma. Ao contrário de Latimer, Ridley não deixou nenhum relato claro de sua transição de padre católico para pregador protestante. No entanto, sabemos que ele assinou o decreto 1534 contra a supremacia do papa, que aceitou o cargo de capelão do arcebispo Cranmer três anos depois e que renunciou à doutrina católica da transubstanciação por volta de 1545. Ao se tornar bispo de Londres em 1550, substituiu os altares de pedra nas igrejas de Londres por mesas de madeira. De acordo com Ridley e os reformadores, a comunhão era uma festa espiritual e não um sacrifício.

As habilidades acadêmicas de Ridley o levaram de posição de prestígio, mesmo sob o reinado caprichoso de Henrique VIII. De Canterbury a Sohan, Rochester e Londres, Ridley estudou, pregou e, assim que Eduardo VI assumiu o trono, começou a implantar as reformas de Cranmer.

Mas quando a Rainha Maria chegou ao poder, Ridley juntou-se a Latimer na prisão.

A tocha da inglaterra

Em 16 de outubro de 1555, após dezoito dias na cela da torre, Latimer e Ridley se encontraram em uma fogueira em Oxford. Latimer, vestindo uma túnica e boné e Ridley sua vestimenta de bispo, falaram e oraram juntos antes que um ferreiro os amarrasse à estaca.

Ridley foi o primeiro a fortalecer seu amigo. “Tenha bom coração, irmão, pois Deus acalmará a fúria da chama ou nos fortalecerá para enfrentá-la.” Quando a pilha de gravetos pegou fogo embaixo deles, foi a vez de Latimer. Ele levantou a voz para que Ridley ouvisse e gritou: “Tenha confiança, Mestre Ridley, e tenhamos coragem; acendemos uma vela neste dia na Inglaterra pela graça de Deus, que espero que nunca se apague. “

Três anos depois, Maria I morreu e deixou o reino para sua meia-irmã Elizabeth, uma rainha protestante, e a vela de Latimer e Ridley se tornou uma tocha.

FONTE:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.