Personagens da Reforma – 27° “Pierre Viret. O sorriso da Reforma”

Este artigo pertence a uma série intitulada Projeto Reforma, uma compilação de escritos sobre a celebração do Dia da Reforma Protestante publicados pelo site “Soldados de Jesuscristo” em espanhol . Tradução ao português via Projeto Castelo Forte. CONFIRA os outros dias AQUI

Por Douglas Wilson

Pierre Viret, nascido em 1511, foi apologista, orador, humorista e economista e estava bem à frente de seu tempo. Além de tudo isso, ele também foi um grande teólogo.

Uma biografia recente de Pierre Viret por Jean-Marc Berthoud tem o subtítulo “Um gigante esquecido da Reforma“, e esse subtítulo resume tudo. Estamos tão acostumados a nos lembrar de gigantes conhecidos da Reforma, como Lutero e Calvino, que às vezes esquecemos que eles tinham companheiros.

Padrasto de Genebra

Viret era amigo íntimo de Calvino, e ambos tinham uma dívida significativa com o mesmo homem, William Farel. Farel foi o homem que ouviu que Calvino estava passando por Genebra em seu caminho para uma vida tranquila em uma biblioteca em algum lugar, e ele persuadiu Calvino a ficar lá e ajudar no trabalho de reforma. Persuadir é uma forma educada de colocar isso – ele previu tormentos e ruína se Calvino não ficasse – e foi assim que William Farel assustou Calvino até seu lugar de destaque na história mundial.

Pierre Viret era natural da Suíça, mas fora para a Universidade de Paris. Ele se converteu à fé reformada enquanto estava lá e fugiu para sua cidade natal, Orbe, para fugir das perseguições que eclodiram em Paris. Farel foi o homem que chamou Viret para o ministério, e foi assim que ele pregou seu primeiro sermão aos 20 anos, em maio de 1531. Isso foi cinco anos antes de Calvino ser confrontado por Farel. Sob seu ministério de pregação em Orbe, Viret teve o grande privilégio de ver seus pais convertidos e conduzidos à Reforma.

Assim como Calvino era associado a Genebra, Viret era associado a Lausanne. A Academia de Genebra é merecidamente famosa, mas essa academia foi na verdade a enteada dos primeiros trabalhos de Viret. Viret fundou a primeira Academia Reformada em Lausanne em 1537. Essa academia cresceu e floresceu lá, e em seu auge tinha cerca de mil alunos. Alguns de seus ex-alunos escreveram o Catecismo de Heidelberg (Ursinus e Olevianus) e a Confissão Belga (de Bres). E Theodore Beza era o diretor lá.

Berna fecha suas portas (ou Berna queima suas pontes)

Mas Viret enfrentou um desafio semelhante ao que Calvino enfrentou – a questão da disciplina da igreja controlada pelo estado. Como Lausanne estava sob a autoridade da cidade de Berna, e porque as autoridades civis não permitiam a disciplina eclesiástica sem sua revisão e permissão, o resultado foi a contínua corrupção moral.

Para citar um exemplo claro, um homem dirigia uma rede de prostituição na casa de sua mãe, e a cidade de Berna proibiu que a Ceia do Senhor fosse negada para tal homem. De acordo com o biógrafo Jean-Marc Berthoud, “em seus escritos controversos, Viret freqüentemente declarou que o papa de Berna em sua túnica curta (o Estado absoluto) era um inimigo muito pior da fé do que o velho Papa de Roma em sua túnica longa” (Pierre Viret, 35).

Depois de muitos apelos, Viret decidiu que simplesmente precisava colocar um limite. Ele fez com que as autoridades locais adiassem um serviço de comunhão para que ele pudesse examinar e instruir aqueles que viessem a participar. Quando os senhores de Berna descobriram isso, ficaram indignados e exigiram que Viret fosse demitido, o que foi feito. Viret foi então para Genebra e todo o corpo docente renunciou em protesto. Como resultado, alguns meses depois, a academia de Genebra foi formada. Na verdade, a Academia Lausanne só mudou – e uma nuvem de bênçãos foi com ela.

Um reformador com um grande sorriso

Farel, mencionado anteriormente, era totalmente ortodoxo, mas reconhecidamente sua cabeça era um pouco explosiva. Viret, por outro lado, era muito mais equilibrado. Embora Viret fosse um debatedor eficaz, e de forma alguma um pacifista eclesiástico, quando morreu em 1571, ganhou o apelido de “O Sorriso da Reforma”.

Viret sabia ser combativo, mas também ser extremamente charmoso. Que seu povo volte e cresça.

FONTE: https://somossoldados.org/pierre-viret-1511-1571-la-sonrisa-de-la-reforma/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.