Personagens da Reforma – dia 9 “Pietro Martire Vermigli , a fênix reformada da Itália”

Este artigo pertence a uma série intitulada Projeto Reforma, uma compilação de escritos sobre a celebração do Dia da Reforma Protestante publicados pelo site “Soldados de Jesuscristo” em espanhol . Tradução ao português via Projeto Castelo Forte . CONFIRA os outros dias AQUI

Por Jacobis Aldana

Desde a infância, Pietro Martire Vermigli queria ensinar a Palavra de Deus. Quando tinha quinze anos, entrou para a ordem agostiniana na cidade italiana de Fiesole, perto de sua cidade natal, Florença. Após oito anos de treinamento teológico, Vermigli foi ordenado sacerdote e recebeu o doutorado em teologia.

Os anos que se seguiram à sua ordenação abriram-lhe novos horizontes vocacionais. Ele foi eleito para o cargo de pregador público, uma posição ilustre na época. Como seu nome ficou famoso nas grandes cidades da Itália, Vermigli foi promovido à posição de abade no mosteiro de sua ordem em Spoleto, antes de ser transferido para o sul da Itália para a grande basílica de San Pietro ad Aram em Nápoles. Foi aqui que sua vida mudou para sempre.

Justiça restaurada

Durante a estada de Vermigli em San Pietro (1537-1540), segundo seu colega e biógrafo, Josiah Simler, “a maior luz da verdade de Deus” começou a brilhar sobre ele. Esta verdade, nas palavras de Vermigli, era que “a justiça de Cristo imputada a nós por Deus restaura completamente o que está faltando neste nosso corpo fraco e mutilado” (The Peter Martyr Reader, 147). Foi um despertar para o Evangelho que transformou toda a sua vida e ministério.

Com uma nova visão de Cristo e do Evangelho, Vermigli mudou-se para o norte em maio de 1541 para se tornar um presbítero no prestigioso mosteiro de San Frediano, na República de Lucca. Enquanto estava lá, ele iniciou uma série de reformas educacionais e eclesiásticas que foram comparadas ao trabalho de Calvino em Genebra.

No entanto, depois de apenas quinze meses de tal renovação evangélica, o Papa Paulo III garantiu sua morte ao reinstituir a Inquisição Romana. Reconhecendo a discrição como contrapartida à coragem, Vermigli renunciou aos seus votos e tomou a difícil decisão de fugir de seu país natal.

Estrasburgo para Oxford

Foi Martín Brucer quem providenciou para que Vermigli fosse designado para a Universidade de São Tomás em Estrasburgo, França. Esperava-se que o exilado italiano ensinasse as Sagradas Escrituras, o que ele fez a partir do Antigo Testamento.

Durante seu tempo em Estrasburgo, Vermigli também se casou com uma ex-freira da cidade francesa de Metz, chamada Catherine Dammartin, “uma amante da religião verdadeira”, especialmente admirada por sua caridade. Após oito anos de casamento, ela morreu em fevereiro de 1553; no entanto, Peter se casaria novamente – com outra Katie – em maio de 1559.

Depois de cinco anos frutíferos de ensino em Estrasburgo, em 1547 Vermigli recebeu um convite do arcebispo de Caterbury, Thomas Cranmer, para fortalecer a recém-independente Igreja da Inglaterra com a teologia reformada, e foi nomeado Presidente Regio da cadeira de Divindade em Oxford. Entre as muitas realizações de Vermigli durante este período estão suas palestras sobre o livro de Romanos, sua produção de vários tratados teológicos, a vitória protestante na famosa Disputa Eucarística de 1549 e sua assistência a Cranmer na formação de uma nova liturgia anglicana, o Livro de Oração Comum.

Academia de Zurique

Com a ascensão ao trono da rainha católica Maria, em 1553, Vermigli foi forçado a fugir da Inglaterra. Retornou a Estrasburgo e foi imediatamente restaurado à sua posição na Escola Superior, onde, além de ensinar e escrever obras teológicas, se reuniu em casa com os exilados marianos ingleses para estudar e rezar. Eventualmente, ele conseguiu um emprego de professor na Academia de Zurique.

Apesar de ter inúmeras oportunidades de falar em toda a Europa, incluindo vários convites de Calvino para ensinar em Genebra e até pastorear a Igreja de Genebra, ele permaneceu em Zurique. A única exceção foi sua viagem ao Colóquio em Poissy (França) com Teodoro Beza em 1561, onde ele debateu com líderes católicos perante a Coroa francesa e testemunhou à Rainha Catarina d’Medici em sua língua nativa.

Mestre do livro

Vermigli morreu em Zurique em 12 de novembro de 1562, na presença de sua esposa e amigos. Este humanista florentino e estudioso reformador, que se encontra a altura de Calvino e Bullinger, seria lembrado por seu compromisso com as Escrituras e sua paixão pela renovação evangélica. Nas palavras de Teodoro Beza, ele era uma “fênix nascida das cinzas de Savonarola”. Até mesmo o retrato de Vermigli na National Portrait Gallery em Londres atesta essa convicção bíblica. Nele, os olhos penetrantes de Vermigli olham para longe, além da moldura dourada, enquanto apontam para um livro singular em suas mãos: a Bíblia.

Se colocamos uma afirmação duradoura nos lábios de Vermigli, talvez seja esta exortação: «Mergulhemos constantemente na Sagrada Escritura, procuremos lê-la, e pelo dom do Espírito de Cristo, as coisas que são necessárias para a salvação ficarão claras, direta e completamente abertas para nós ”(Life, Letters, and Sermons [Life, Letters and Sermons], 281).

FONTE:https://somossoldados.org/peter-martyr-vermigli-1499-1562-el-fenix-de-florencia/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.