Personagens da Reforma – dia 8 “Menno Simons. O destemido pacifista”

Este artigo pertence a uma série intitulada Projeto Reforma, uma compilação de escritos sobre a celebração do Dia da Reforma Protestante publicados pelo site “Soldados de Jesuscristo” em espanhol . Tradução ao português via Projeto Castelo Forte . CONFIRA os outros dias AQUI

Por Ryan Griffith

Se você conhece os menonitas contemporâneos, ficará surpreso ao descobrir que o fundador do grupo foi um padre católico que nunca havia lido a Bíblia em sua vida.

Um padre sem a Bíblia

Em 1524, aos 28 anos, Menno Simons foi ordenado sacerdote da Igreja Católica em Utrecht, Holanda; Embora estivesse familiarizado com o grego e o latim e estudasse a doutrina católica, ele nunca havia lido as próprias Escrituras. “Não as havia tocado em minha vida”, escreveu ele mais tarde, “porque temia que, se as lesse, elas me enganariam.”

Em 1526, Simons começou a desafiar a veracidade da doutrina católica da transubstansiação (a ideia de que o pão e o vinho são transformados exatamente na carne e no sangue de Jesus durante a Eucaristia). Simons pensou que esse mal-estar poderia ter vindo do diabo para enganá-lo, então ele relutantemente começou a estudar a Bíblia. Não tendo encontrado em lugar nenhum a doutrina da transubstansiação, ele descobriu o evangelho da salvação pela graça por meio da fé em Cristo! Simons começou a compartilhar seus aprendizados com outros do púlpito, levando-o a ser um destaque regional como pregador evangélico.

Fumaça sem chama

O estudo de Simons o convenceu da autoridade incomparável da Bíblia e isso o levou a examinar a doutrina católica à luz das Escrituras. Simons rejeitou a prática do batismo infantil, classificando ela como antibíblica e começou a motivar os paroquianos a serem batizados de acordo com sua confissão de fé em Cristo. Embora tenha adotado essa doutrina evangélica, ele permaneceu sacerdote na Igreja Católica e trabalhou por sua reforma. Nesse ínterim, entretanto, seu fascínio pelo ensino bíblico era meramente intelectual. Simons gostava de sua fama recente, mas carecia de um verdadeiro afeto por Cristo.

A execução de trezentos anabatistas no Old Cloister, perto de Bolsward, em abril de 1535, o levou a uma crise:

“Refleti sobre minha vida suja e carnal, e também sobre a doutrina hipócrita e idolatria que ainda praticava diariamente com aparência de piedade, mas sem nenhum deleite. Meu coração estremeceu dentro de mim. Implorei a Deus, com suspiros e lágrimas, que me desse, um pecador enlutado, o dom de sua graça, que criasse em mim um coração limpo e que graciosamente, pelos méritos do sangue carmesim de Cristo , perdoe minha caminhada suja e minha vida fácil frívola”.

Vencido por seus pecados de orgulho, timidez e amor ao conforto, Simons renunciou resolutamente sua “reputação, nome e fama mundanos”. “Em minha fraqueza”, escreveu ele: “Temo a Deus; Procurei os piedosos e embora fossem poucos, encontrei alguns que eram zelosos e guardavam a verdade.

Inimigo do Estado – e do Diabo

Depois de ser batizado, Simons começou imediatamente a pregar o evangelho, explicar as escrituras e viajar muito. Simons descobriu que o diabo o havia afastado da Bíblia e da verdadeira conversão, e agora ele estava determinado a ser seu inimigo. Sua pregação rapidamente atraiu a ira das autoridades católicas. O imperador Carlos V chegou a emitir um édito contra Simons, oferecendo uma recompensa substancial a quem o entregasse às autoridades.

No entanto, Simons exortou seus companheiros Reformadores Anabatistas a rejeitarem os meios violentos de realizar a reforma, defendendo o pacifismo e a separação do poder mundano. Sua pregação e reformas foram tão bem-sucedidas que, por fim, os anabatistas do norte da Alemanha e da Holanda se tornariam conhecidos como menonitas. No 25º aniversário de sua renúncia ao catolicismo, a saúde de Simons piorou rapidamente e ele morreu no dia seguinte: 31 de janeiro de 1561, aos 66 anos.

Chega de trapaça

Assim como o diabo enganou o jovem Menno, ele também nos enganaria: ele nos afastaria das Escrituras, do temor de Deus, da confissão do pecado e da fé humilde. Em vez disso, possamos “com suspiros e lágrimas” implorar e receber com alegria o dom da graça no nosso Salvador prometido: Jesus Cristo.

“Embora antes resistisse à Tua preciosa Palavra e à Tua santa vontade com todo o meu ser … Tua graça paternal não me abandonou, sendo um miserável pecador, mas por amor, me recebeu … e me ensinou pelo Espírito Santo até que por minha própria vontade declarei guerra ao mundo, à carne e ao diabo … e voluntariamente me submeti à pesada cruz de meu Senhor Jesus Cristo para herdar o reino prometido”. (Simons, meditação sobre o Salmo 25 )

FONTE: https://somossoldados.org/menno-simons-1496-1561-el-pacifista-sin-miedo/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.