Personagens da Reforma – dia 3 “Jan Hus , o ganso da Reforma”

Este artigo pertence a uma série intitulada Projeto Reforma, uma compilação de escritos sobre a celebração do Dia da Reforma Protestante publicados pelo site “Soldados de Jesuscristo” em espanhol . Tradução ao português via Projeto Castelo Forte. CONFIRA os outros dias AQUI

Por Greg Morse

Em 17 de dezembro de 1999, o papa proclamou o equivalente cerimonial do pedido de desculpas moderno: “minha culpa”.

João Paulo II se dirigiu a uma multidão na República Tcheca, expressando “profundo pesar pela morte cruel” infligida a seu herói. “Arrependimento profundo” era o mínimo que a Igreja Católica podia oferecer.

Selado com sangue

Levado ao Concílio de Constança com a promessa de segurança, Jan Hus foi imediatamente jogado na prisão por seis meses, julgado em um julgamento falso e condenado a se retratar – o que ele se recusou a fazer. Em julho de 1415, ele foi despido de suas roupas, adornado com um chapéu de burro pintado com demônios e rotulado de “arqui-herege” – tudo isso enquanto ele orava por seus inimigos.

Depois de passar por uma pilha de livros em chamas, eles o amarraram a uma estaca. Em resposta a ser amarrado como um cachorro, ele disse: “Por mim, meu Senhor Jesus Cristo foi amarrado com correntes mais duras do que estas, então por que eu deveria ter vergonha dessas correntes enferrujadas?” Mais uma vez, ordenaram que se retratasse, mas ele se recusou, proclamando: “O que ensinei com meus lábios, agora selo com sangue.” E foi o que ele fez.

Enquanto as chamas aumentavam, ele cantou. O secretário do conselho declarou: “Maldito Judas, porque abandonaste os caminhos da paz e seguiste o conselho dos judeus, tomamos de ti o cálice da redenção.” Graças a Deus, a Igreja Católica não tinha autoridade para tirar dele o cálice da redenção naquele dia.

Após sua morte, a indignação encheu a Boêmia. Em seu nome, seus seguidores se levantaram contra Roma em violentos protestos que duraram mais de uma década. Jan Hus foi um pregador, uma figura política, um profeta, um proto-reformador e um mártir de primeira classe.

Bulldog Wycliffe

Por volta de 1369, um ganso nasceu na terra dos gansos. Jan Hus (seu sobrenome significa ganso em tcheco) nasceu em Hussinec (que significa terra dos gansos em tcheco) no reinado da Boêmia. Nascido em uma família pobre, o ganso deixou seu rebanho para ingressar no sacerdócio em busca de uma melhor forma de vida e prestígio. Ele se tornou um renomado pregador na Capela de Belém, no entanto, ele passou a maior parte de seu tempo servindo academicamente como reitor da faculdade de filosofia em Praga. Ele viveu durante uma época de convulsão social entre os cidadãos de língua alemã e tcheca, então Hus se tornou uma figura-chave para o nacionalismo tcheco.

Hus viveu em uma época em que a imoralidade infectava o sacerdócio da Igreja Católica. Muito em breve ele começou a pregar “sermões violentos” contra a iniquidade galopante do clero, até que foi denunciado ao arcebispo e proibido de pregar. Enquanto Hus lia as Escrituras e observava os papas da época abusarem de seu poder, ele concluiu que a autoridade papal não era final. Ele precisava de um alicerce mais forte do que o que foi construído na palha das opiniões dos homens – não importa o quão alto esses homens fossem. Ele baseou sua vida e ministério na Palavra de Deus.

Sua perspectiva das Escrituras como autoridade final ganhou impulso quando ele começou a ler as obras de John Wycliffe. Wycliffe encontrou um discípulo leal em Hus. Hus defendeu suas obras com tanta tenacidade que um historiador o chamou de “buldogue de Wycliffe” (The Unquenchable Flame, 30). Ele argumentou incondicionalmente contra as indulgências, defendeu que tanto pão quanto vinho fossem servidos no sacramento e pregou na língua comum (ao invés do latim não traduzido da época).

Embora ele concordasse com a Igreja Católica em questões como a missa, sua adesão aos ensinamentos de Wycliffe fez com que fosse excomungado, julgado por heresia e queimado vivo.

Gansos não são silenciosos

Depois que Hus foi finalmente condenado à morte, ele proclamou: “Você pode queimar o ganso, mas em cem anos surgirá um cisne cujo canto vocês não poderão silenciar.” Exatamente 102 anos depois, um monge vigoroso pregou noventa e cinco teses nas portas da Catedral de Wittenberg.

Ele também estava vendo discrepâncias entre a doutrina romana e as Escrituras, e estava procurando reformar a Igreja Católica. Ele também foi levado a desafiar o papa. E ele também foi condenado como herege. Durante o debate de Leipzig, Lutero foi desdenhosamente condenado como um “hussita”. Ele rejeitou o título na época, mas teve tempo para ler suas obras durante um intervalo desse debate, voltou e elogiou os ensinamentos do condenado Hus. Lutero era o cisne de que Hus falava e mais tarde aceitaria a associação. Até hoje, é frequentemente pintado ao lado de cisnes.

O Ganso, um precursor proeminente dos Reformadores, manteve sua posição e foi martirizado. O cisne seguiu o ganso e Roma ainda não conseguiu silenciá-lo.

_______

Fonte: https://somossoldados.org/jan-hus-c-1369-1415-el-padre-ganso/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.