Personagens da Reforma – 23° “Hellen Stirke. A mártir da Virgem comum”

Este artigo pertence a uma série intitulada Projeto Reforma, uma compilação de escritos sobre a celebração do Dia da Reforma Protestante publicados pelo site “Soldados de Jesuscristo” em espanhol . Tradução ao português via Projeto Castelo Forte. CONFIRA os outros dias AQUI

Por Tony Reinke 

O escândalo da Reforma Protestante envolve grandes personalidades e figuras importantes, geralmente o tipo de homens cujos nomes aparecem em mitos, lendas e estátuas de pedra. No entanto, a Reforma também é a história de pessoas comuns que seguiram a Cristo, comumente esquecidas, mas que colocaram a teologia da Reforma em prática e que pagaram esse preço alto com suas vidas. Hellen Stirke  é uma mártir desse tipo.  

O equivalente a Maria  

Hellen era uma cristã comum na cidade escocesa de Perth que se dedicava ao trabalho doméstico diário como mãe e esposa. Sua vida passou despercebida até o nascimento de seu filho mais novo em 1544.  

Quando chegou o momento do parto de seu filho, a tradição católica exigia orações à Virgem Maria. Tendo um bom entendimento das Escrituras, Hellen repudiou esse pedido, pois era uma tradição que ela não seguiria. Suas desapontadas parteiras a pressionaram a orar para a Virgem, mas ela não o fez. O risco físico era real, mas as orações nada mais eram do que garantias supersticiosas.  

“Se eu tivesse vivido nos dias da virgem”, disse Hellen graciosamente, “Deus poderia ter me visto como a virgem Maria ter me feito a mãe de Cristo.” Seu sermão do parto deve ter gerado polêmica, mas Hellen foi firme e confortada por sua teologia, sabendo que suas orações eram dirigidas diretamente a Deus por meio de seu salvador  Jesus Cristo  

Eu não vou te dizer boa noite 

A notícia da recusa de Hellen em orar a Maria e seu argumento ousado de que ela estava em igualdade de condições com ela perante Deus rapidamente chegaram aos ouvidos do clero local e de lá ao cardeal . Sua resposta foi rápida para extinguir esse vislumbre da teologia reformada. Logo depois, Hellen foi presa e encarcerada junto com seu marido e quatro outros corajosos cristãos protestantes da cidade. Este pequeno grupo foi logo considerado culpado de heresia e condenado à morte. No dia seguinte, os soldados carregaram Hellen, seu marido e os outros protestantes condenados para a forca.  

Hellen pediu para morrer ao lado de seu marido, James Finlason , mas seu pedido foi negado. Homens deveriam ser enforcados, mulheres afogadas e James deveria ir primeiro. Segurando o filho pequeno, Hellen se aproximou do marido, beijou-o e falou as seguintes palavras:  

“Alegra-te, marido, porque vivemos vários dias alegres, e neste dia, em que morreremos, devemos considerá-lo o mais alegre de todos, porque teremos alegria para sempre”. Portanto, não vou dizer boa noite para vocês, porque em pouco tempo nos encontraremos no reino dos céus. ”  

James foi enforcado diante de seus olhos. Assim que sua vida nesta terra acabou, seus olhos foram fechados por Hellen, que foi forçada a entregar seu recém-nascido a uma ama de leite que cuidava da criança a partir daquele momento. As autoridades levaram Hellen a um lago próximo, amarraram suas mãos e pés, colocaram-na dentro de um saco de pano junto com pedras pesadas e jogaram-na na água como um monte de lixo. Tudo isso pelo crime de “blasfemar contra a Virgem Maria”. 

Uma nuvem de testemunhas comuns  

O céu tem todos os detalhes, mas isso é tudo o que sabemos sobre a vida de Hellen. Ela era uma mulher corajosa e fortalecida pelas Escrituras. Seu  clamor no parto, de que ela era igual à mãe de Jesus , foi uma insubordinação cerimonial radical, mas no fundo foi um ato de fé que proclamou que todos os arroubos da superioridade humana eram irrelevantes para a supremacia da presença de Cristo.  

Se você olhar mais detalhadamente para a Reforma, perceberá que se trata de muito mais do que prensas, teses pregadas nas portas e debates teológicos. A Reforma é sobre a história de crentes comuns, maridos e esposas, mães e pais baseados nas palavras das Escrituras que reivindicaram a prioridade de Jesus Cristo em suas vidas, seus casamentos, suas famílias e suas esperanças eternas, que eles se ergueram como uma nuvem de testemunhas nos chamando para fazer o mesmo. Os reformadores nos chamaram para apegar-nos às nossas convicções bíblicas sem vacilar, para desfrutar as bênçãos terrenas do Senhor e suportar as aflições momentâneas aqui antes da alegria eterna preparada para nós.  

FONTE: https://somossoldados.org/hellen-stirke-murio-en-1543-la-virgen-maria-ordinaria/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.