Personagens da Reforma – 22° “Jane Grey. A rainha adolescente mártir”

Este artigo pertence a uma série intitulada Projeto Reforma, uma compilação de escritos sobre a celebração do Dia da Reforma Protestante publicados pelo site “Soldados de Jesuscristo” em espanhol . Tradução ao português via Projeto Castelo Forte. CONFIRA os outros dias AQUI
Por Scott Hubbard

10 de fevereiro de 1554: dois dias antes de Jane Grey subir no cadafalso o capelão católico John  Feckenham  entra na cela de Jane na Torre de Londres na esperança  de salvar sua alma. Ou assim ele pensa. 

A rainha Maria (também conhecida como ” Maria Sanguinária”) já havia assinado a sentença de morte de sua prima Jane mas enviou seu capelão experiente para ver se ele poderia cortejar Jane de volta a Roma antes de sua execução. Jane tem cerca de dezessete anos. 

Segue-se um acalorado debate: Feckenham,  o apologista católico e Jane , a adolescente reformada. Ele insiste que a justificação vem pela fé e obras ; ela permanece firme na sola fide . Ele afirma que o pão e o vinho eucarísticos são o corpo e o sangue de Cristo; ela argumenta que os elementos simbolizam a obra salvadora de Jesus. Ele afirma a autoridade da Igreja Católica junto com as Escrituras; já ela insiste que a igreja se assenta sob o olhar penetrante da Palavra de Deus. 

“Tenho certeza de que nunca mais nos veremos”, Feckenham finalmente diz a Jane, insinuando sua condenação. Mas Jane o avisa de volta: “A verdade é que nunca nos encontraremos [de novo], a menos que Deus converta seu coração.” 

O Deus Soberano de Lady Jane

Sob certo ângulo, a vida de Lady Jane Grey é uma história de manipulação, de pessoas poderosas usando uma adolescente para apoio social e político. Seus pais impuseram um severo regime de educação a ela na esperança de que se casasse com o herdeiro do trono da Inglaterra. Quando essa oportunidade passou, os Greys conspiraram com o ministro-chefe do rei para casar Jane com Guildford Dudley , um homem que ela desprezava. E então, com a morte do rei, um grupo de conspiradores políticos entregou-lhe a coroa que custaria a cabeça de Jane.  

Já sob uma perspectiva real a este respeito, guiado pelo moto de Eclesiastes – é a perspectiva de Lady Jane sob o sol. Através das lentes da providência de Deus, uma Jane diferente surge. A Jane que usava grego e hebraico para estudar as Escrituras em seu idioma original. A Jane enviada à corte inglesa para se preparar, apenas para encontrar Jesus por meio do testemunho cristão da rainha Catarine  Parr, a sexta e última esposa do rei Henrique VIII, que ele chamava de “demasiada protestante”  . E, finalmente, uma Jane que enfrenta um julgamento, prisão e decapitação com as mesmas  palavras de Deus em seus lábios. 

Esta segunda perspectiva não é uma tentativa de adoração ao herói. A história nos relata que Jane pode ser teimosa. Essa perspectiva simplesmente reconhece que o Deus de José ainda trama a redenção por meio de parentes conspiradores e prisões solitárias. “Você queria me usar para seus próprios fins”, Jane poderia ter dito a qualquer pessoa, “mas Deus queria isso para sempre” ( Gn  50:20). 

A prisão da torre

Lady Jane relutantemente assumiu o trono em 10 de julho de 1553 e voluntariamente o deixou em 19 de julho de 1553, quando Maria reuniu um exército para depor sua prima rainha. Portanto, Jane é frequentemente lembrada por um número : a Rainha dos Nove Dias. 

Em 7 de fevereiro de 1554, Maria assinou a sentença de morte que colocaria Jane na forca  apenas cinco dias depois. Além de enfrentar  Feckenham , Jane passou seus últimos dias preparando um breve discurso para sua execução e enviando alguns comentários finais. Dentro de seu Novo Testamento grego, ela escreveu  para sua irmã mais nova,  Katharine , 

“Este é o livro, querida irmã, da Lei do Senhor. É o seu testamento e sua última vontade, que  transmitiu  a nós, desgraçados, que a conduzirá ao caminho da alegria eterna. . . . E quanto à minha morte, alegra-te como eu, boa irmã, porque serei libertada desta corrupção e me revestirei de incorrupção. Porque tenho a certeza de que, ao perder uma vida mortal, ganharei uma vida imortal”.  

Na forca

Na manhã de 12 de fevereiro, Jane foi levada até a patíbulo da Torre Branca central, onde uma pequena multidão e um carrasco aguardavam sua chegada. Dirigindo-se aos espectadores, Jane anunciou: “Não procuro ser salva por nenhum outro meio, mas apenas pela misericórdia de Deus, no sangue de seu único Filho Jesus Cristo.” A seguir, ajoelhou-se e recitou o Salmo 51: “Tem misericórdia de mim, ó Deus. . . . “ 

Depois de vendada, Jane tateou o caminho até o bloco de execução e enfiou a cabeça na fenda. O último som que a multidão ouviu antes de o machado atingir o bloco foi uma oração da voz de Jane, de dezessete anos: “Senhor, em tuas mãos entrego meu espírito.” Assim terminou a vida de Lady Jane Grey, a mártir adolescente. 

FONTE: https://somossoldados.org/lady-jane-grey-c-1537-1554-la-martir-adolescente/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.