Personagens da Reforma – 20° “John Knox. O Reformador Presbiteriano da Escócia”

Este artigo pertence a uma série intitulada Projeto Reforma, uma compilação de escritos sobre a celebração do Dia da Reforma Protestante publicados pelo site “Soldados de Jesuscristo” em espanhol . Tradução ao português via Projeto Castelo Forte. CONFIRA os outros dias AQUI

Por Sinclair Fergusson

No início dos anos 1500, a Escócia tinha algo em comum com o resto da Europa: uma igreja profundamente corrupta e espiritualmente empobrecida sob liderança moralmente moribunda. Para citar um exemplo notável, David Beaton, cardeal e arcebispo, teve ilegitimamente pelo menos quatorze filhos. Demais para um celibatário em teoria. A ignorância espiritual era tão grande que George Buchanan podia admitir que alguns padres pensavam que o Novo Testamento era um livro publicado recentemente por Martinho Lutero.

John Knox apareceu e a Reforma começou nas terras altas.

Nascido em Haddington, East Lothian, entre 1513 e 1514, Knox foi educado localmente e mais tarde entrou na Universidade de Saint Andrews. Tornou-se padre e voltou para sua região natal como notário e guardião. Tal como Calvino, sabemos muito pouco sobre sua conversão.

Ministério e Refúgio

Após o martírio do protestante George Wishart em St. Andrews, Knox veio para a cidade com alguns de seus jovens alunos e em 1547 ele se juntou ao grupo de reformadores que viviam no castelo ali. Quando Knox foi nomeado pregador, ele se opôs, mas foi basicamente manipulado para aceitar o chamado da congregação do castelo para se tornar um ministro. No entanto, em questão de meses, o castelo foi sequestrado por navios franceses na Baía de St Andrews. Knox e o resto foram capturados e tomados como escravos pelo próximo ano e meio.

Knox foi libertado em 1549 e partiu para a Inglaterra, onde foi pastor de uma congregação em Berwick, mas logo se mudou para Newcastle, onde também foi capelão real durante os dias do jovem rei Eduardo VI, cuja morte em 1553 foi um duro golpe para ele. Logo elevaram Maria Tudor ao trono ( “Jezabel idólatra” foram as palavras que Knox escolheu cuidadosamente para descrevê-la). Knox buscou refúgio no continente.

Vida no continente

Entre 1553 e 1559, Knox viveu como um nômade. Ele passou um tempo com Calvino em Genebra, que ele chamou de “a escola mais perfeita de Cristo … desde os dias dos apóstolos”. A partir daquele momento, ele aceitou o chamado para pastorear a congregação de língua inglesa em Frankfurt.

Knox se casou com a inglesa Marjorie Bowes e voltou a Genebra em 1556, para pastorear uma congregação de cerca de duzentos refugiados. No ano seguinte, ele recebeu o convite urgente para retornar à Escócia – 1558 foi o ano previsto para o casamento da jovem Maria, Rainha da Escócia, com o filho mais velho do Rei da França, um evento que parecia destinar a Escócia ao domínio católico permanente.

Uma prova do vigor de Knox pode ser saboreada em uma carta que ele escreveu ao povo da Escócia, instando-os a não transigir no evangelho. Ele os lembrou de que eles devem prestar contas de suas ações perante o tribunal de Deus:

[Alguns apresentam desculpas:] “’Não éramos nada mais do que meros súditos, não repararíamos as faltas e crimes de nossos governantes, bispos e clero; pedíamos a reforma e queríamos o mesmo, mas … fomos obrigados a obedecer a tudo que eles exigiam ‘. Essas desculpas vãs, eu digo, nada servirão a vocês na presença de Deus. “

O retorno para a Escócia

Em 1559, Knox finalmente voltou para casa para iniciar a fase mais importante do ministério público da kirk (termo escocês para igreja). Apesar de suas extensas ausências de sua terra natal, várias coisas o equiparam para liderar a Reforma lá: seu nome foi associado aos heróis do passado recente, seus sofrimentos autenticaram seu compromisso, sua vasta experiência o preparou para a liderança e seu sentido  de chamado o fazia “não ter medo de ninguém”. Assim, pelos próximos treze anos, Knox se entregou à Reforma na Escócia.

No verão de 1572, Knox era uma sombra de sua antiga humanidade e, em novembro, ficou claro que ele não queria este mundo. Na manhã de 24 de novembro, ele pediu a sua segunda esposa, Margarida, que lesse 1 Coríntios 15 para ele, e por volta das cinco horas ele fez seu último pedido: “Leia onde eu coloquei minha primeira âncora” (presumivelmente na fé) . Ela leu João 17 para ele e, no final da noite, ele havia partido.

Existem muitas explicações para a influência de Knox e da Reforma na Escócia. Não há dúvida de que vários fatores da providência de Deus trouxeram o avivamento espiritual. No entanto, a convicção de Knox era que “Deus deu Seu Espírito Santo a homens simples e em grande abundância”. É aí que reside a maior lição de sua vida.

FONTE: https://somossoldados.org/john-knox-c-1513-1572-el-campeon-del-kirk-iglesia/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.