Porque não sou Católico Romano? – Tim Challies

Por Tim Challies 

Na semana passada comecei uma nova série intitulada “Por que eu não sou…” e nesta série estou explorando algumas das coisas que eu não acredito como um meio de explicar o que eu acredito. No último artigo expliquei por que não sou ateu e agora quero explicar por que não sou católico romano. O momento deste artigo não é planejado, mas sim apropriado. Eu publico hoje de Orlando, Flórida onde eu estou apreciando algum tempo no Ministério Ligonier, o ministério fundado há muitos anos pelo Dr. R.C. Sproul. De forma muito importante, a resposta à pergunta “Por que não sou católico romano?” É “R.C. Sproul.” Mas eu estou me adiantando.

Embora meus pais tenham sido salvos no pentecostalismo, eles rapidamente encontraram um lar na tradição presbiteriana e desenvolveram interesses profundos tanto pela história da igreja como pela teologia reformada. Na história da igreja, eles encontraram a longa saga da batalha de Roma contra protestantes e pré-protestantes, enquanto na teologia eles encontraram sua distorção do evangelho. Desde os meus primórdios fui ensinado que o catolicismo é uma perversão perigosa da verdade bíblica e aprendi o tradicional entendimento protestante de que seu pontífice é o anticristo, o grande oponente do povo de Deus.

Quando entrei na idade adulta, senti um crescente desejo de examinar as crenças que eu sempre havia assumido para ver se eu realmente me sustentava independentemente de meus pais. Procurei recursos que pudessem me guiar e logo encontrei os trabalhos de R.C. Sproul que tinha sido escrito em grande parte em resposta tanto a evangélicos quanto católicos. Sproul tinha determinado que ele permitiria que a Igreja falasse por si mesma através de seu catecismo e declarações oficiais e que ele iria avaliá-las através das Escrituras. Mostrou uma compreensão profunda e respeitosa do catolicismo e construiu um caso convincente no qual expôs os problemas mais sérios dele. Livros de James White complementaram os de Sproul e sob sua orientação cheguei a ver que a doutrina católica realmente se opõe à Escritura e ao evangelho. Minhas convicções sobre os erros e perigos do catolicismo mudaram um pouco – fiquei muito menos convencido sobre a conexão entre papa e anticristo, por exemplo , mas no geral foram afiados e aprofundados. Concluí que, por várias razões, nunca poderia ser católico romano. Os mais proeminentes entre eles são estes três:

Eu não sou católico romano porque Roma nega o evangelho. Roma tem um evangelho, mas não O evangelho e, na realidade, seu evangelho amaldiçoa, não salva, porque nega explicitamente que a justificação vem pela graça somente pela fé somente em Cristo. Roma compreende com precisão a posição protestante e a anatematiza sem remorso. À obra de Cristo acrescenta a obra de Maria. À intercessão do Salvador acrescenta a intercessão dos santos. À autoridade da Bíblia acrescenta a autoridade da tradição. Ao dom gratuito da salvação acrescenta a necessidade do esforço humano. No lugar da obra acabada de Cristo na cruz, exige o contínuo sacrifício da missa. No lugar da imputação permanente da justiça de Cristo, substitui a infusão temporária de obras de justiça. De tantas maneiras diferentes, nega explicitamente e sem desculpas a verdade e promove o erro. O evangelho católico é um falso evangelho.

Eu não sou católico porque Roma não é a igreja. Roma afirma traçar sua linhagem em uma linha ininterrupta que estende todo o caminho de volta para o apóstolo Pedro, a quem Cristo disse, “Sobre esta pedra edificarei a minha igreja” (Mateus 16:18). Dessa forma ela diz que ela é a igreja com o poder e a autoridade para exigir fidelidade e prende a consciência de cada cristão. Eu não reconheço essa linhagem e, portanto, não reconheço tal autoridade. Suas alegações são improváveis ​​e representam uma distorção das afirmações da Bíblia sobre a igreja de Cristo. Para ser católico, primeiro teria ajoelhar-me ao papa como sucessor de Pedro e reconhecer a Igreja como a continuação do que Cristo começou por meio de seus discípulos. Eu não posso, porque a Igreja Católica Romana é uma falsa igreja.

Eu não sou católico porque o culto católico é idólatra. Os protestantes geralmente acusam o catolicismo por promover adoração a Maria ou aos santos. Sob a tutela de R.C. Sproul eu entendi que essa acusação requer nuances e é, até certo ponto, uma questão de definir palavras como “venerar”. E, no entanto, há inegavelmente uma semente do que devo reconhecer como idolatria. Isto foi afirmado durante uma viagem recente à Europa, onde na Alemanha e na Áustria visitei as catedrais católicas e vi a veneração de ossos, relíquias e ícones, e onde vi a Igreja defendendo e promovendo orações a Maria e aos santos. Aqui estava o catolicismo em plena flor e era tão alarmante quanto trágico. Eu vi pessoas que não conheciam a alegria da liberdade do evangelho desesperadamente estendendo sua adoração a, ou através de, Maria e os santos. Eles fizeram tudo sob a orientação de sua Igreja. Em muitas de suas formas, o culto católico romano é idólatra.

Alegremente afirmo, é claro, que existem verdadeiros crentes dentro do catolicismo e que o que é verdade da doutrina oficial de Roma não é necessariamente verdade para todos os seus adeptos. No entanto, a salvação destes irmãos e irmãs veio apesar dos ensinamentos da igreja, não através deles. Aprecio o ponto que Leonardo De Chirico destaca aqui:

No que se refere à Igreja Católica em sua configuração doutrinal e institucional, não pode necessariamente ser estendido a todos os católicos como indivíduos. A graça de Deus está em ação em homens e mulheres que, apesar de se considerarem católicos, confiam-se exclusivamente ao Senhor, cultivam um relacionamento pessoal com Ele, lêem a Bíblia e vivem como cristãos. Essas pessoas, no entanto, devem ser encorajadas a refletir sobre se sua fé é compatível ou não com eles pertencerem à Igreja Católica. Além disso, eles devem ser ajudados a pensar criticamente sobre o que resta de seu passado católico à luz do ensino bíblico.

Eu não sou católico romano. Eu não sou católico romano porque fui criado para entender que a doutrina católica é oposta à Escritura. Mas ainda mais, eu não sou católico romano porque através de meus próprios exames eu vim a ver que ela nega o evangelho da graça livre, que ela reivindica autoridade que não é sua própria, e que ela promove a adoração que prejudica o culto que todos devemos exclusivamente ao nosso Deus.

 

Tradução: Douglas Moura
FONTE: https://www.challies.com/articles/why-i-am-not-roman-catholic?

1 pensou em “Porque não sou Católico Romano? – Tim Challies

  1. Nasci em uma Familia Catolica Romana.meu Pai José Francisco e Minha Mãe Marlene Corrêa eram Catolicos como quase todos os meu parentes.mais somente fui as Missas aos Meus 19 anos junto de minha Mãe e Meu Irmão.
    No inicio gostava de ir na Igreja Catolica me sentia bem.rezava o Pai nossp e Ave Maria.mais tinha começadp a ler a Bíblia e tinha visto a proibição de se fazer Imagens e se inclina para imagens.tinha visto que biblicamente o Pai Nosso era certo mais Não é biblico ave Maria.por isso mesmo ainda indo as Missas rezava o Pai nosso mais Não ave Maria.Depois as Imagens na Igreja Passaram a me icomoda.Não dava mais para ser Catolico Romano.
    Muito tempo depois algo notei que o Padre somente dava a Hostia e Não o Vnho.porem Cristo disse que era para comer o Pão e beber p Vinho.resolvir Não ser mais Catolico porem fiz o erro de ir me Congregat com o grupo Testemunha de Jeová mais Depois me Afastei quando notei que algumas doutrinas desse grupo Não eram biblicas.ainda pensei se era certo talvez voltar ser Catolico mais devido praticas que discordo notei qie Não seria possivel.
    Hoje sou Cristão e aceitei Cristo como meu Salvador e Senhor da minha vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.