Por que sou religioso, não apenas espiritual – Jim Witteveen

por Jim Witteveen

Eu estava sentado na sauna do centro aquático local outro dia, quando iniciei uma conversa com o homem sentado à minha frente. Quando você é um missionário, é fácil mudar as conversas para os assuntos de fé, e essa é a direção que essa conversa em particular rapidamente tomou. Não demorou muito para que o homem me dissesse algo sobre si mesmo que eu já ouvi antes, muitas vezes. É uma afirmação que, para ser sincero, me faz estremecer:

Eu me considero mais espiritual do que religioso.”

O que isso significa? Bem, para este homem, isso significava que ele acreditava em um “poder superior” de algum tipo, que ele não frequentava a igreja e não tinha nenhum apreço pela “religião organizada” e que ele tentou viver, em suas palavras, uma “vida moral”.

E, a julgar pela nossa breve conversa, ele certamente parecia ser, pelo menos na superfície, uma “boa pessoa”. Ele parecia um pouco áspero nas bordas – ele tinha mangas de tatuagem cheias nos dois braços, cabelos longos e piercings, mas expressou respeito pela minha posição e pelo trabalho que faço, ele falou com carinho sobre sua esposa e seus filhos, e ele me contou como trabalhou duro para cuidar de sua família e viver uma vida boa.

Então, por que a declaração dele me fez estremecer? Por que me vejo reagindo negativamente sempre que ouço pessoas falando mal de “religião” e falando positivamente sobre “espiritualidade”?

O Deus criado pela espiritualidade

Nesse caso, e em outros similares, minha reação tem muito a ver com o fato de uma pessoa como essa estar se enganando. Ele acredita que pode ser uma boa pessoa (e, aos olhos do mundo, ele é) e acredita que “Deus” (quem ou o que quer que ele ou ela seja) o aceitará nessa base. Quando se trata disso, ele acredita que ficará bem com Deus porque, em sua mente, criou um deus com o qual ele pode se sentir à vontade – um deus que não exige muito, um deus que não pede coisas que o tirem de sua zona de conforto, um deus que não o julgará.

Deixe-me colocar desta forma a título de exemplo: num domingo de manhã às 8:00, quando você está desfrutando de uma sonolência agradável que marca o fim de um bom sono após uma semana árdua de trabalho, quando você ouve as crianças em preparação para outro dia de atividades descontroladas, é muito mais fácil ser “espiritual” do que ser “religioso”.

Por quê?

Porque a pessoa “espiritual” não precisará lavar as crianças, vestir-se, alimentar-se e entrar no veículo antes do culto da manhã de domingo. Ele não terá que manter essas mesmas crianças sob controle por uma hora de culto formal. Ele não terá que gastar tempo conversando com pessoas com as quais ele não tem muito em comum, pessoas que podem incomodá-lo ou irritá-lo. Ele não terá que ouvir um pregador dizendo coisas que ele pode não estar interessado em ouvir; ele não terá sua consciência instigada por chamados ao arrependimento.

Mas o mais importante é que ele não vai ouvir o evangelho – as boas novas da salvação em Jesus Cristo, salvação que chega às pessoas por causa da pura e bela graça de Deus, se elas confiarem nEle. E por causa disso, independentemente de quão boa seja uma pessoa, se ele continuar em sua “jornada espiritual”, evitando as armadilhas do que agora é conhecido como “religião”, ele não será salvo.

Então, quando ouço um não-cristão me dizer que é “espiritual” e não “religioso”, isso me assusta. E no cenário religioso da América do Norte, esse tipo de autodefinição está se tornando cada vez mais comum. O preconceito contra a religião organizada, o pensamento individualista e a falta de respeito por qualquer tipo de autoridade, religiosa ou não, levou a esse desenvolvimento infeliz em nossa história recente.

A verdadeira religião é mais que ritual

Agora, aparentemente em resposta a essa mudança em nossa cultura, muitos cristãos começaram a se distanciar de qualquer associação com “religião” e começaram a se definir em termos de “espiritualidade”.

Uma frase, em particular, continua elevando sua cabeça (feia): “O cristianismo é um relacionamento, não uma religião”. “Religião”, nos dizem, é um conceito negativo e tem a ver com a observância externa de rituais e comportamentos, em vez da relação que deveríamos ter com Jesus.

Parece ótimo porque todos devemos concordar que a fé cristã não é simplesmente seguir as regras certas. Ser um verdadeiro cristão significa muito mais do que ir à igreja, fazer as doações necessárias, participar de estudos bíblicos ou grupos de jovens ou quaisquer funções da igreja que tenham sido organizadas. É sobre viver em um relacionamento correto com Deus. Os profetas do Antigo Testamento sabiam disso e escreveriam coisas assim:

Porque desejo amor constante e não sacrifício, o conhecimento de Deus, e não ofertas queimadas” ( Oséias 6: 6 ).

Então, por que deveríamos nos incomodar com a frase “O cristianismo não é uma religião, é um relacionamento”, se a pessoa que diz isso simplesmente significa que o cristianismo é mais do que ritual e formalidade e obediência externa ao código moral da comunidade cristã? Isso não é apenas uma discussão sobre semântica?

Mas quando ouço que o cristianismo não é uma religião, penso em Tiago 1:26 e 27 . Ele diz o seguinte:

Se alguém pensa que é religioso e não freia a língua, mas engana o coração, a religião dessa pessoa é inútil. A religião que é pura e imaculada diante de Deus e do Pai é a seguinte: visitar órfãos e viúvas em suas aflições e manter-se imaculado do mundo.

Tiago não diz que a religião está errada. Ele não diz que é superior ser “espiritual” ao invés de “religioso”. O objetivo é a religião verdadeira, não a ausência de religião. A verdadeira religião significa restringir a sua língua. Significa visitar órfãos e viúvas em suas aflições. Significa manter-se imaculado do mundo. Portanto, a verdadeira religião é muito mais do que passar pelos movimentos; isso está claro no Antigo e no Novo Testamento. A verdadeira religião deve ser uma religião do coração.

A verdadeira religião é vivida

Mas o fato é que não deve parar no coração! A verdadeira religião não é simplesmente algo que acontece dentro da pessoa. Uma vida fiel não é uma vida gasta contemplando as coisas certas, tendo o sentimento correto no coração. Essa atitude do coração deve mostrar-se em observância externa – em procurar viver uma vida santa, em servir aos outros, em falar de uma maneira que condiz com a demanda de Deus por pura fala. E deve mostrar-se mesmo na observância do ritual (suspiro!)!

Às vezes, as pessoas falam de uma divisão que existe entre o Antigo Testamento e o Novo Testamento, como se o Antigo Testamento fosse sobre ritual e observância de regras e regulamentos, sobre oferecer os sacrifícios certos da maneira certa, na hora certa, e o Novo Testamento tratasse da vida interior da pessoa – o que acontece no coração. E assim as pessoas veem o povo de Deus do Antigo Testamento como sendo “religioso”, enquanto os cristãos do Novo Testamento são chamados a ser “espirituais”.

Mas isso é uma falsa dicotomia. O Antigo Testamento nunca foi sobre o externo divorciado do interno; o verso que citei de Oseias prova isso. E, além do mais, o Novo Testamento não se refere ao interno falsamente separado do externo. Como cristãos, ainda temos rituais – práticas repetidas, feitas da mesma maneira repetidas vezes, que estão em conformidade com um padrão estabelecido. Recebemos novos rituais – a Ceia do Senhor e o batismo – os sacramentos. Mas também participamos dos antigos rituais – reunir-se todas as semanas como um padrão definido para o culto corporativo é um ritual religioso central que somos chamados a honrar.

O ritual não examinado e realizado de maneira impensada é certamente uma coisa negativa; mas isso não significa que o ritual, as coisas que as pessoas pensam agora como “religiosas” sejam negativas em si mesmas. Longe disso! De fato, a Bíblia fala repetidamente e positivamente sobre esse tipo de atividade e incentiva fortemente os cristãos a participarem delas!

A verdadeira religião é comunitária

E isso me leva à minha preocupação final com a divisão religião – espiritualidade. Como cristãos, somos pessoas chamadas a viver em comunidade. Como cristãos reformados, falamos sobre a aliança de Deus e de nós mesmos como povo da aliança de Deus.

Uma das minhas maiores preocupações em colocar “religião” contra “espiritualidade” é o foco individualista da espiritualidade. A “espiritualidade” parece tão frequentemente sobre o meu relacionamento pessoal com Deus, enquanto a “religião” é frequentemente associada a atividades que envolvem relacionamentos corporativos – grupos de pessoas, fazendo as mesmas coisas ao mesmo tempo, juntos. Ao focar na espiritualidade pessoal, em contraste com a religião organizada, muitas vezes parece que o indivíduo, e suas necessidades e desejos, se tornam primordiais, enquanto o aspecto corporativo de nossa fé, que deveria ser tão central, se perde.

Conclusão

Nossa religião não é apenas um relacionamento pessoal com Jesus; é sobre isso, com certeza, mas é muito mais rico que isso, muito mais! João coloca desta maneira, na introdução de sua primeira carta: “O que vimos e ouvimos proclamamos também para você, para que você também tenha comunhão conosco; e de fato nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo ”( 1 João 1: 3 ).

A verdadeira religião é sobre o vertical (nosso relacionamento com Deus), mas também inclui o horizontal (nossos relacionamentos um com o outro). É por isso que devemos nos esforçar não por uma “espiritualidade” vaga e individualista, mas por uma religião verdadeira, uma religião que define todas as atividades de nossa vida, uma religião que se dedica ao amor ao próximo, especialmente ao amor pelos irmãos e irmãs na comunidade do convênio, baseadas em nosso amor ao Senhor.

Então, talvez possamos elaborar um novo lema, algo assim: “Cristianismo: não apenas um relacionamento, mas uma religião composta de diversos relacionamentos bonitos e desafiadores com nossos irmãos, baseados em um relacionamento renovado com Deus, por meio de Seu Filho Jesus Cristo.”

Pode não ser cativante, mas é verdade. Então, vamos reivindicar “religião” – uma palavra bíblica que tem sido muito difamada – e nos regozijarmos nela, e tudo o que ela representa.

FONTE : https://reformedperspective.ca/the-problem-with-im-spiritual-not-religious/

Rev. Jim Witteveen é um missionário que serviu a Igreja no Canadá e agora no Brasil. traduzido e publicado com permissão do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.