Por que a Reforma foi necessária? – W. Robert Godfrey

por W. Robert Godfrey

A igreja está sempre precisando de reforma. Mesmo no Novo Testamento, vemos Jesus repreendendo Pedro, e vemos Paulo corrigindo os coríntios. Visto que os cristãos são sempre pecadores, a igreja sempre precisará de reforma. A questão para nós, entretanto, é quando a necessidade se torna uma necessidade absoluta?

Os grandes reformadores do século dezesseis concluíram que a reforma era urgente e necessária em sua época. Ao buscar a reforma da igreja, eles rejeitaram dois extremos. Por um lado, eles rejeitaram aqueles que insistiam que a igreja era essencialmente sólida e não precisava de mudanças fundamentais. Por outro lado, eles rejeitaram aqueles que acreditavam que poderiam criar uma igreja perfeita em todos os detalhes. A igreja precisava de uma reforma fundamental, mas também sempre precisaria estar se reformando. Os reformadores chegaram a essas conclusões por meio de seu estudo da Bíblia.

Em 1543, o reformador de Estrasburgo, Martin Bucer, pediu a João Calvino que escrevesse uma defesa da Reforma para ser apresentada ao imperador Carlos V na dieta imperial estabelecida para se reunir em Speyer em 1544. Bucer sabia que o imperador católico romano estava cercado de conselheiros que estavam difamando os esforços de reforma na igreja, e ele acreditava que Calvino era o ministro mais capaz de defender a causa protestante.

Calvino aceitou o desafio e escreveu uma de suas melhores obras, “A necessidade de reformar a Igreja”. Este tratado substancial não convenceu o imperador, mas passou a ser considerado por muitos como a melhor apresentação da causa reformada já escrita.

Calvino começa observando que todos concordam que a igreja tinha “doenças numerosas e graves”. Calvino argumenta que as coisas eram tão sérias que os cristãos não podiam suportar um “atraso mais longo” para a reforma ou esperar por “remédios lentos”. Ele rejeita a alegação de que os reformadores foram culpados de “inovação precipitada e ímpia”. Em vez disso, ele insiste que “Deus levantou Lutero e outros” para preservar “a verdade de nossa religião”. Calvino viu que os fundamentos do Cristianismo estavam ameaçados e que somente a verdade bíblica renovaria a igreja.

Calvino examina quatro grandes áreas na vida da igreja que precisam de reforma. Essas áreas formam o que ele chama de alma e corpo da igreja. A alma da igreja é composta da “adoração pura e legítima de Deus” e “a salvação dos homens”. O corpo da igreja é composto pelo “uso dos sacramentos” e “o governo da igreja”. Para Calvino, esses assuntos estavam no centro dos debates da Reforma. Eles são essenciais para a vida da igreja e só podem ser entendidos corretamente à luz do ensino das Escrituras.

Podemos nos surpreender que Calvino colocou a adoração a Deus como a primeira das questões da Reforma, mas esse era um tema consistente dele. Anteriormente, ele havia escrito ao cardeal Sadoleto: “Não há nada mais perigoso para a nossa salvação do que uma adoração absurda e perversa de Deus”. Adoração é onde nos encontramos com Deus, e essa reunião deve ser conduzida de acordo com os padrões de Deus. Nossa adoração mostra se realmente aceitamos a Palavra de Deus como nossa autoridade e nos submetemos a ela. A adoração autocriada é tanto uma forma de salvação pelas obras quanto uma expressão de idolatria.

Em seguida, Calvino voltou-se para o que muitas vezes pensamos ser o maior problema da Reforma, a saber, a doutrina da justificação:

Afirmamos que, seja qual for a descrição das obras de qualquer homem, ele é considerado justo diante de Deus, simplesmente por causa da misericórdia gratuita; porque Deus, sem qualquer consideração pelas obras, o adota livremente em Cristo, imputando-lhe a justiça de Cristo, como se fosse sua. Chamamos isso de justiça da fé, isto é, quando um homem, anulado e vazio de toda confiança nas obras, se sente convencido de que a única base de sua aceitação por Deus é uma justiça que falta a si mesmo e é emprestada de Cristo . O ponto em que o mundo sempre se desvia (pois esse erro prevaleceu em quase todas as épocas) é imaginar que o homem, por mais parcialmente defeituoso que seja, ainda em certo grau merece o favor de Deus pelas obras.

Essas questões fundamentais que formam a alma da igreja são sustentadas pelo corpo da igreja: os sacramentos e o governo da igreja. Os sacramentos devem ser restaurados ao significado puro e simples e ao uso dado na Bíblia. O governo da igreja deve rejeitar toda tirania que une as consciências dos cristãos ao contrário da Palavra de Deus.

Ao olharmos para a igreja em nossos dias, podemos muito bem concluir que a reforma é necessária – na verdade, é necessária – em muitas das áreas com as quais Calvino estava tão preocupado. Somente a Palavra e o Espírito de Deus reformarão a igreja. Mas devemos orar e trabalhar fielmente para que tal reforma aconteça em nosso tempo.

FONTE: https://www.ligonier.org/blog/why-was-reformation-necessary/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.