Grande Perdão para Grande Pecado (Spurgeon)

10585439_573806772728788_1140197760_nNº 2863

Um sermão para o culto de Vigília pregado por

Charles Haddon Spurgeon

Na noite de 31 de Dezembro de 1876

E publicado na quinta-feira, 24 de Dezembro de 1903

IMPRESSO COM UM COMENTÁRIO DE C.H.SPURGEON SOBRE LUCAS 15 AO FINAL

BAIXE EM PDF

BAIXE EM EPUB

BAIXE EM MOBI

 

“E é pelo sangue deste que temos a redenção, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da Sua Graça.” Efésios 1:7.

 

Não há quase necessidade de dizer a vocês que Paulo está aqui escrevendo em relação ao Senhor Jesus Cristo. De fato, Cristo era seu tema constante, tanto na pregação quanto na escrita. Tomei conhecimento de ministros que conseguem pregar um sermão sem mencionar do começo ao fim o nome de Jesus. Se alguma vez vocês ouvirem um sermão como esse, cuidem para que nunca mais ouçam outro sermão desse homem! Se um padeiro assasse alguma vez para mim um pão sem nenhuma farinha em sua composição, eu tomaria as providências necessárias para que ele jamais fizesse isso de novo. E digo o mesmo a respeito do homem que prega um Evangelho sem Cristo! Deixe que aqueles que não valorizam suas almas imortais vão e ouçam-no; mas, prezados amigos, sua alma e a minha são por demais preciosas para serem colocadas à mercê de tal pregador.

A harpa de Paulo tinha apenas uma corda, no entanto, ele produziu com ela uma música que jamais emanou de qualquer outra! Ele encontrou em Cristo tal multiplicidade infinita que jamais esgotou seu tema. Com ele, era primeiro Cristo, último Cristo, no entremeio Cristo, Cristo em todo o lugar — e assim ele jamais empunhou sua pena sem escrever algo em louvor de seu glorioso Senhor e Salvador! Paulo tinha boas razões para fazer isto, pois Cristo o havia encontrado quando estava a caminho de Damasco, interrompeu-o em sua carreira de perseguidor, renovou seu coração e deu-lhe, posteriormente, uma inclinação permanente em relação a seu novo Mestre. Paulo jamais esqueceu aquele local na estrada para Damasco! Eu garanto que ele podia encontrá-lo até o dia de sua morte — aquele local onde caiu por terra e ouviu a Voz do Céu dizendo-lhe: “Saulo, Saulo, por que Me persegues?”[1] Ele passou a ser um homem diferente depois daquilo! Aquele único evento mudou o curso inteiro de sua vida, de modo que, daquele momento em diante, para ele, viver era Cristo. Anteriormente, ele havia exalado ameaças e morte a todos que levavam o nome de Cristo. Agora ele exala Cristo e Seu Evangelho e não há nenhuma outra coisa para a qual ele se importe em viver e está mesmo disposto a morrer por Ele!

“Mas”, diz alguém, “você não pensa que Paulo foi longe demais com essa ideia? O homem de uma única ideia cavalga em seu tema até a morte e não vê as outras coisas que estão ao seu redor.” Ah, meu senhor! Paulo viu tudo ao seu redor que valesse a pena ver! Para ele, tudo acima, abaixo, por dentro, por fora, ao redor, tinha Cristo, exatamente como num dia ensolarado, tudo possui o brilho solar em si. E, igual ao Apóstolo, jamais exageraremos quando apropriadamente falarmos de Jesus, “pois nele habita corporalmente toda a plenitude da Divindade”[2], e Nele está armazenado todo o tipo de riquezas e tesouros para as pobres criaturas pecaminosas igual a nós.

Vou exaltar Cristo, conforme Seu compassivo Espírito ajudar-me, falando do perdão que nos alcança livremente através da redenção que Ele para nós obteve por verter Seu precioso sangue. Abordarei em duas partes. Primeiramente, os pecados, dos quais fala nosso texto, são grandes pecados. E, em segundo lugar, o perdão, do qual fala nosso texto, é também grande — “segundo a riqueza de Sua Graça“[3].

 

  1. Primeiramente, então, OS PECADOS AQUI MENCIONADOS SÃO GRANDES. Por pregarmos a grandeza da misericórdia de Deus, algumas mentes maldosas pensam que pecado é apenas algo pouco importante. Mas, senhores, não é bem assim. Se qualquer um de vocês está vivendo no pecado, escutem-me enquanto eu tento mostrar quão grande ele é.

Pois, primeiramente, veja o que o pecado tem feito a todos nós. Nossos primeiros pais viveram num Jardim de deleites e, se não tivessem pecado, teríamos sido herdeiros de uma vida feliz livre de doença, pesar e morte. Mas o pecado entrou no Jardim do Éden e murchou todas as folhas, secou cada flor e, logo em seguida, Adão foi conduzido para fora para lavrar o solo que produziu espinhos e cardos em abundância. Quanto à mulher, ela e suas filhas foram condenadas a gerar filhos em dor e sofrimento.

Agora olhe o resultado do pecado em todo o mundo — a pobreza que é gerada da embriaguez, a doença que provém da devassidão, as aflições de consciência que seguem toda a maldade. E quando se encara a miséria agora existente nesta terra, pense nos numerosos cemitérios, grandes e pequenos, com suas miríades de túmulos. O próprio pó que flutua sobre nossas ruas abaixo esteve, muito dele, vivo como parte do corpo de um de nossos antepassados! Esta terra é, de fato, um enorme necrotério. O que foi que assassinou todas essas pessoas e cavou todas essas sepulturas? Foi o pecado, pois “o pecado, atingindo a maturidade, gera a morte”[4]. Não é nada pequeno o que tem operado todo esse dano na espécie humana!

Se qualquer de vocês duvida da grandeza do pecado, deixe-me lembrá-los do que acontece àqueles que morrem nele. Esta Bíblia, que é a Revelação de Deus, conta-nos que os pecadores que morrem na impenitência são retirados da Presença de Deus e empurrados para as trevas exteriores onde haverá choro, gemido e ranger de dentes para sempre! Não consigo representar adequadamente aquela terrível morada de almas perdidas, mas já existem miríades lá, sem luz, ou esperança, ou alegria, ou conforto, esperando pelo Dia do Julgamento quando seus corpos erguer-se-ão, e corpo e alma permanecerão diante do Tribunal de Cristo. E a seguir virá sobre eles “o terror do Senhor“[5]. Se tivesse eu de descrever os ais do perdido, a linguagem que teria de usar seria excessivamente forte, mas onde teria eu de procurá-la? Não iria a Milton[6] e a outros poetas, mas teria de reunir símiles, as mais terríveis, dos lábios do gentil e amável Cristo, pois é Ele que nos conta a maioria dessas coisas! Por Ele ter amado os homens tão ternamente, alertou-os da ira do porvir — e uma prova de que o pecado não é nenhuma trivialidade é que a ira do porvir é terribilíssima!

Se alguém ainda duvida de que o pecado é algo grande, peço a ele lembrar que o pecado deve ser grande porque requer tamanha Graça para ser perdoado. Nosso texto ensina-nos que o perdão do pecado está de acordo com a abundância da Graça de Deus — como se, para livrar-se do pecado, a Riqueza Infinita de Seu grande coração de amor deva ser liberalmente despendida. Deus, que tem grande prazer na misericórdia, teve de desembolsar uma fortuna em Graça antes que o pecado pudesse ser perdoado! Portanto, o pecado não é nada pequeno. Mas se você quer realmente saber quão grande é o pecado, lembre o que custou a Cristo para ser o Perdoador dele. Vá ao Getsêmani e veja o que custou a Cristo arcar com ele lá[7]. O pecado que o cobriu com um suor de sangue[8] não foi trivialidade nenhuma. Então, acompanhe-O ao Palácio de Pilatos e ouça os cruéis açoites caindo em Seus abençoados ombros, porque é com aquelas chicotadas que você é curado, e uma doença precisa ser terrível para necessitar de remédio tão amargo! Veja os soldados levarem-No e O pregarem na Cruz. Lá Ele está suspenso, entre Céu e terra, para morrer por pecadores culpados em meio a inenarrável agonia, a qual olho humano nenhum pôde ver, nem nenhuma mente mortal pôde entender. Contudo, jamais poderia ter havido qualquer perdão de pecado se não tivesse havido toda essa aflição da parte do Substituto do pecador. Com certeza, o pecado deve ser algo grande para precisar de um Sacrifício tão grande a fim de que possa ser despojado.

Enquanto evoco essas conhecidas verdades de Deus, espero que alguém esteja dizendo: “Ah, meu senhor, eu sei que meus pecados são grandes! Não é necessário entrar em detalhes pessoais, porque se o pecado de nenhum outro for grande, o meu é.” Examinemos rapidamente nossos antecedentes deste ano e vejamos se não ocorre assim conosco. Vá buscar seu diário. Ah, você não registra tais coisas nele — você tenta esquecê-las. Contaram-me que, em Nápoles, havia uma cova para cada dia do ano, e a cada dia retiravam os mortos da cidade e os lançavam na cova daquele dia. Portanto, havia 365 dessas covas que eram abertas, ano após ano[9]. Semelhantemente, você tem enterrado seus pecados nestes 365 dias. Removamos uma das grandes pedras e olhemos para baixo. Não, não! Não conseguimos aguentar fazer isso, pois mesmo um dia de pecados possui uma vileza tal que choramos se estivermos em nosso bom juízo: “enterrem meus mortos longe de minha vista!” Pense o que seus pecados têm sido. Pense nas palavras inúteis que você tem falado — por cada uma delas você terá de prestar contas. Pense nos pensamentos maus que você tem tido — pensamentos com raiva, pensamentos de soberba, pensamentos de lascívia — são todos eles pecados. Oh, que grande e terrível pilha eles formam! Alguém aqui gostaria de lançar seus pecados nesta plataforma? Jamais consigo entender como um assim chamado “sacerdote” consegue pedir às pessoas para confessar seus pecados a ele. Não transformaria eu meu ouvido num tubo de esgoto por toda a riqueza do mundo! Que nojice deve haver na alma daquele que tem escutado o que outros têm feito e que sabe do pecado que ele próprio tem cometido! O pecado, quando vemos o que ele realmente é, quer em nós ou em outros, horroriza-nos.

Mas há algo que quero que você se lembre. Se nada tem sido feito, ou dito, ou pensado por você do qual você se condene, e mesmo assim, se você não está agora amando a Deus — se por outro ano você foi inimigo de Deus, se por outro ano recusou a Cristo e tem vivido sem oração, sem arrependimento e sem procurar estar bem com Deus. Se por outro ano você foi indiferente às exigências do Altíssimo e negligente com Seus mandamentos — se não tem feito nada mais a não ser esquecer Deus —esse único pecado seria suficiente para lançá-lo no Inferno para sempre! Lembre-se das palavras de Davi: “os perversos serão lançados no inferno, e todas as nações que se esquecem de Deus“[10].

  1. Agora volto-me para o lado muito mais alegre do meu tema, o qual é que O PERDÃO DO PECADO É TAMBÉM UMA GRANDE COISA.

Existe algo igual ao perdão do pecado? Quando Martinho Lutero estava em grande tribulação em razão de seu pecado, ele recebeu grande consolo de uma observação feita por um amigo monge, que, notando-o tão deprimido, perguntou-lhe: “Martinho, você consegue recitar o Credo?” Martinho, claro, respondeu, “Sim”. “Então, você não se lembra”, disse o monge, “que no Credo está escrito ‘Creio no perdão dos pecados’?” Uma luz pareceu irromper sobre a escuridão de Lutero por aquela simples pergunta, assim como eu oro para que ela possa irromper sobre a sua, conforme eu falo sobre aquele trecho abençoado de um verdadeiro credo cristão.

Primeiramente, você deve julgar a grandeza do perdão pela grandeza do pecado que Deus perdoa num momento único. Não sei sua idade, meu caro amigo. Digamos, trinta, quarenta, cinquenta, sessenta, oitenta anos — possivelmente, mesmo noventa — mas, se você agora crê no Senhor Jesus Cristo, neste exato instante a massa inteira de seus pecados desaparecerá para sempre! Tenho ouvido sobre alguém que tinha emprestado muito dinheiro a um devedor e que tinha recebido dele muitos títulos de crédito. E quando percebeu que o devedor estava afundando em uma falência desesperada, pediu para chamá-lo e, após mostrar-lhe os títulos, a quantia dos quais ele era incapaz de cumprir, mesmo o valor de um penny[11], o generoso credor disse: “Há somente uma maneira em que podemos resolver toda esta dívida”. E juntando todos os títulos em sua mão, lançou-os ao fogo. “Agora”, disse ele, “Desejo a você um feliz ano novo. Prossiga em seu caminho, pois você não possui dívida nenhuma comigo”. Essa foi uma nobre ação para qualquer um realizar, e tenho certeza de que o título no valor de mil libras queimaria tão rapidamente quanto um título no valor de cinquenta libras. Assim o Senhor tomou todos os títulos de nosso pecado durante todo o período de nossa vida e colocou-os nas chamas de Sua Infinita Misericórdia — e de tal maneira desapareceram, que se nossos pecados forem procurados, não poderão ser achados!

Em seguida, meça a grandeza do pecado pela culpa do pecado perdoado. Sempre sinto que devo falar cautelosamente sobre este ponto, mas serei tão arrojado quanto puder. Pecador, se você confiar em Jesus, ele lhe perdoará o mais negro pecado, no qual você tenha caído. Se (Deus permita que não seja verdade!) o crime de assassínio estiver em sua consciência. Se o adultério ou fornicação tiver enegrecido sua própria alma. Se todos os pecados que os homens tenham cometido em qualquer época, enormes e estupendos em sua agravação, forem debitados diretamente em sua conta, ainda assim, lembre-se de que “o sangue de Jesus Cristo, Seu Filho, purifica-nos de todos os nossos pecados“[12]. E lembre-se, também, que “aquele que Nele crê é justificado de todas as coisas”[13], por mais negras que possam ser. Eu gosto da maneira como Lutero fala sobre este tema, embora, seja algumas vezes demasiadamente ousado. Diz ele: “Jesus Cristo não é um Salvador de imitação para pecadores de imitação, mas Ele é um Salvador real que oferece Expiação real para o pecado real, para crimes brutais, para ofensas insensíveis, para transgressões de toda a sorte e de todo o tamanho.”

E um Outro muito maior que Lutero disse: “Mesmo que os vossos pecados sejam como escarlate, tornar-se-ão alvos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim tornar-se-ão como a lã.”[14] Abri eu completamente a porta da Misericórdia, não abri? Ninguém aqui ousará dizer: “Sr. Spurgeon disse que minha culpa é por demais grande para ser perdoada.” Eu não disse nada parecido com isso! Qualquer que seja o tamanho de sua culpa e de seus pecados, como as grandes montanhas que se elevam acima das nuvens, as inundações da Misericórdia Divina ultrapassam os cumes das montanhas mais altas da iniquidade submergindo-as todas! Deus deu a vocês a Graça de crer nisso e de prová-Lo verdadeiro nesta exata hora!

Em terceiro lugar, a grandeza do perdão de Deus pode ser avaliada pela gratuidade dele. Quando um pobre pecador vem a Cristo em busca de perdão, Cristo não lhe pede para pagar qualquer coisa por isso, ou para fazer qualquer coisa, ou para ser qualquer coisa, ou para sentir qualquer coisa, mas Ele gratuitamente perdoa-lhe. Eu sei o que você pensa. “Deverei passar por uma determinada penitência da alma, pelo menos; mesmo se não for do corpo. Terei de prantear muito, ou orar muito, ou fazer muito, ou sentir muito.” O Evangelho diz: “Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo“[15]. Confie em Jesus Cristo, e o perdão gratuito do pecado é, de imediato, concedido “sem dinheiro e sem pagamento”![16]

Uma outra coisa que indica sua grandeza é sua imediatez. Deus perdoará a você imediatamente, assim que você confiar em Cristo. Havia uma filha, muito amada por seu pai, que, numa má hora, partiu de sua casa e veio a Londres. Aqui, não possuindo amigo nenhum, logo passou a ser vítima de homens maus e tornou-se um completo e total destroço. Um missionário urbano encontrou-a e falou-lhe lealmente a respeito de seu pecado — e o Espírito Santo trouxe-a aos pés do Salvador. O missionário perguntou o nome e endereço de seu pai, e por fim ela lhe disse. Todavia, afirmou: “Não adianta você lhe escrever. Tenho trazido tanta desonra para minha família que estou bem certa de que ele não responderia à carta nenhuma.” Eles escreveram ao pai e expuseram as circunstâncias — e a carta que retornou tinha no envelope, sobrescrita em grandes letras, a mão, a palavra “IMEDIATO”[17]. Internamente, ele escreveu: “Tenho orado todos os dias para que eu pudesse encontrar minha filha e vibro de alegria por receber notícias dela. Que ela venha para casa imediatamente. Perdoei-lhe sem exigir nada, e anseio apertá-la em meu peito.”

Pois bem, Alma, se procuras misericórdia, exatamente isto é o que o Senhor fará contigo. Ele te enviará misericórdia com a marca “IMEDIATO”, e tu a possuirás instantaneamente! Eu relembro como encontrei misericórdia, logo, quando me disseram para olhar para Jesus que seria perdoado. Olhei e, rápido, como o clarão do relâmpago, recebi o perdão do pecado, no qual exulto em alegria até esta mesma hora! Por que não pode acontecer igual com você — o pecador mais negro e pior aqui — o mais insensível e o menos suscetível de arrependimento? Senhor, concede-o, e Tu terás o louvor!

Mais uma vez, a grandeza do perdão de Deus pode ser medida pela completitude dele. Quando um homem confia em Cristo e é perdoado, seu pecado é de tal maneira inteiramente anulado que é como se jamais tivesse existido! Seus filhos trazem para casa os cadernos deles sem nenhum borrão, mas se você olhar, cuidadosamente, consegue ver onde foram apagados os borrões. Porém, quando o Senhor Jesus Cristo apaga os pecados de Seu povo, Ele não deixa marca nenhuma de rasura e os pecadores perdoados são tão aceitos perante Deus como se jamais tivessem cometido pecado!

Talvez alguém diga: “Você está expondo o assunto de forma muito vigorosa.” Sei que estou, porém, não mais vigorosa do que a Palavra de Deus expõe. O profeta Miqueias, falando ao Senhor sob a inspiração do Espírito Santo, diz: “Tu lançarás todos os nossos pecados nas profundezas do mar.”[18] Não nos baixos onde poderiam ser dragados novamente, mas nas grandes profundidades, como no meio do Atlântico. Em seguida, Isaías diz ao Senhor: “Tu lançaste para trás das tuas costas todos os meus pecados.“[19] Você consegue dizer-me onde ficam as costas de Deus? O rosto de Deus está em todo o lugar — então onde estão suas costas e onde estão os pecados de Seu povo? Ora, absolutamente em lugar nenhum! Daniel diz que a obra do Messias é extinguir a transgressão — e ela está extinta para todos os que Nele creem. Daniel também diz que Ele dará fim aos pecados[20] — por conseguinte há um fim para os pecados, para todos que Nele confiam! A seguir há aquela gloriosa passagem que não se pode dizer com muita frequência — “Naqueles dias e naquele tempo, diz o Senhor, buscar-se-á a maldade de Israel e não haverá nenhuma.”[21] Quê?! Todos os meus pecados já não existem mais? Sim, todos eles já não mais existem se você crê em Jesus, pois Ele os lançou na tumba Dele onde estão enterrados para sempre. Isto é o suficiente para fazer você dançar igual fez Davi diante da Arca[22], pois, quando Deus uma vez perdoa a um homem, Ele jamais o condena de novo. Não é característica de Deus agir sem sinceridade com as pessoas. Se estou em Cristo Jesus, o veredicto de “Nenhuma Condenação“[23] é obrigatoriamente meu, sempre, pois quem pode condenar aquele por quem Cristo morreu?[24] Ninguém, pois, “os que justificou, também os glorificou“.[25] Se você confia sua alma à Expiação realizada pelo sangue de Cristo, você está absolvido e pode seguir seu caminho em paz, sabendo que nem morte, nem Inferno jamais o separará de Cristo![26] Você pertence a Ele e pertencerá a Ele eternamente!

“Bom”, alguém perguntaria, “isso é formidável. Como pode ser obtido?” Isso deve ser obtido por nada, simplesmente, pelo pedir, simplesmente, por confiar em Cristo. Se assim for, nada mais há a fazer, e todas esas bênçãos são suas e suas para todo o sempre!

Agora encerro mostrando como efetivamente Deus perdoa o pecado. Tenho certeza que Ele perdoa, pois tenho provado isso em meu próprio caso e tenho ouvido de muitos outros semelhantes ao meu. Soube de um homem cheio de pecados ser alcançado pelo Senhor e, Este renová-lo e, prontamente fazê-lo sentir, sentir realmente isto, também: “Deus me ama”. E ele clamou: “Abba, Pai”, e começou a orar e teve respostas à oração! E Deus manifestou Sua Graça Infinita a ele em milhares de maneiras. Não muito tempo depois, Deus confiou àquele homem algum serviço para Ele, assim como a Paulo e a outros foi-lhes confiado o Evangelho — e assim como ocorre a muitos de nós. Com alguns de nós, o Senhor tem sido muito familiar e muito bondoso e tem-nos abençoado com todas as bênçãos espirituais em Cristo Jesus[27].

Terei encerrado quando tiver já dito isto, visto que estas coisas são verdadeiras, ninguém precisa desesperar-se. Venha, irmã, desfaça sua testa franzida! Você tem dito: “Jamais serei salva”, mas você não deve falar assim, pois o perdão de pecados efetuado por Cristo realiza-se “segundo as riquezas de Sua Graça“[28]. E, irmão, você está com dificuldades porque pecou contra Deus? Tal como Ele está tão disposto a perdoar-lhe, você deve estar arrependido por ter ofendido um Deus tão benevolente! Tal como Ele está tão disposto a perdoar, estejamos nós dispostos a sermos perdoados! Não partamos desta casa, embora o badalar da meia-noite esteja prestes a soar, até que tenhamos recebido esta grande redenção, este grande perdão para grande pecado!

Talvez alguém diga: “Quando eu chegar em casa, pedirei perdão de Deus.” Não espere até chegar em casa! Suponha que eu tivesse cometido alguma ofensa a qualquer de vocês e que então eu tivesse sentado a seu lado — não acho que deveria esperar até que entrássemos no ano novo antes de pedir que você me perdoe. Faça o mesmo com Deus — diga a Ele: “Visto que estás tão disposto a perdoar, peço para ser perdoado. Eu creio que serei perdoado por intermédio de Jesus Cristo, Teu Filho”. É uma grande coisa começar o ano novo com um coração novo e um espírito novo! Deixaria os sinos de sua alma retinindo. A pergunta é: Você crerá no Filho de Deus? No nome de Jesus Cristo que morreu na Cruz, exijo sua fé Nele! Ele não é nenhum impostor. Ele não é nenhum embusteiro, Ele é digno da confiança de seu coração, portanto, creia Nele. Eu oro ao Espírito Santo para operar esta fé em você, que você possa ser salvo e salvo agora e receba de uma vez o perdão de todos os seus pecados!

Portanto, preguei o Evangelho a você. Se você rejeitá-lo, o risco é seu. Eu desenho um círculo ao seu redor como fez o embaixador romano ao redor do monarca oriental e disse-lhe: “Pise fora desse círculo, e significará guerra com Roma”[29]. Igualmente eu desenho um círculo ao redor da cadeira onde você está sentado e digo-lhe, em nome de Deus: “Você não deve levantar-se dessa cadeira até que tenha paz com Deus por meio da fé em Jesus Cristo, ou então tome sobre si a responsabilidade de permanecer inimigo de Deus, pois nada mais posso dizer até o romper do Dia do Julgamento e terei de prestar contas por pregar este sermão — e você terá de prestar contas por ouvi-lo! Não posso dizer-lhe mais nada além disso! Existe perdão a ser obtido ao crer! Jesus Cristo é plenamente digno de sua confiança — creia Nele agora e você receberá perdão pleno e gratuito! O Senhor lhe ajude a assim proceder, por amor de Jesus Cristo! Amém.

EXPLANAÇÃO FEITA POR C. H. SPURGEON

De LUCAS 15.

Temos lido junto este capítulo muitas vezes. Possivelmente alguns de nós o temos lido centenas de vezes, contudo, sempre que o lemos encontramos algo novo nele. Ele se apresenta sempre reluzente e vivaz, pleno de diamantes e outras pedras preciosas da Verdade.

 

Versículos 1-3. Aproximavam-se de Jesus todos os publicanos e pecadores para o ouvir. E murmuravam os fariseus e os escribas, dizendo: “Este recebe pecadores e come com eles!” Então lhes propôs Jesus esta parábola.

Os sentimentos mais profundos do coração de nosso Salvador parecem ter vindo à tona por força das duas classes de pessoas aqui mencionadas: Sua piedade e compaixão em relação ao pecaminoso, e Sua ira justa em face das objeções perpétuas dos Fariseus e escribas hipócritas. Uma classe fez com que seu coração transbordasse de amor, a outra incitou Sua indignação ardente, mas mesmo assim, Sua alma comoveu-se com piedade e ternura em relação ao desencaminhado e errante. Devemos ser gratos aos Fariseus por terem induzido nosso Senhor a proferir as três maravilhosas parábolas que estamos prestes a ler. Lucas diz: “Contou-lhes, então, esta parábola”, significando que as três são realmente uma, uma pintura em três painéis. O plano todo da salvação não deve ser encontrado em cada uma das parábolas por si só, mas em todas as três combinadas. Alguns pontos omitidos em qualquer uma delas será achado em alguma das outras. “Então, lhes propôs Jesus esta parábola:”

 

3-7. Qual, dentre vós, é o homem que, possuindo cem ovelhas e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove e vai em busca da que se perdeu, até encontrá-la? Achando-a, põe-na sobre os ombros cheio de júbilo. E, indo para casa, reúne os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: ‘Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida!’ Digo-vos que, assim, haverá maior júbilo no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento.

O pastor teve uma alegria extraordinária em seu rebanho pelo desvio e recuperação daquela única ovelha. Se todas tivessem ficado no redil e nenhuma delas tivesse-se desgarrado, ele teria ficado alegre, mas teria havido uma espécie de torpor e mesmice acerca de sua satisfação constante com elas. Mas aquela ovelha desviada incitou outras emoções em seu coração e quando ele a achou, experimentou uma nova alegria, uma alegria mais elevada da que anteriormente conhecia! Portanto, embora seja o pecado um grande mal, ainda assim ele tem sido revertido por Deus de tal modo a introduzir uma nova alegria no universo.

Canções de louvor que jamais teriam feito as harpas dos anjos entoarem são agora ouvidas no Paraíso! Jamais teria havido nenhum arrependimento se não tivesse havido pecado algum — e o amor do Grandioso e Bom Pastor em relação à ovelha errante jamais teria sido revelado se nenhuma ovelha tivesse jamais se desgarrado do rebanho. Eu imagino que foi algum sentimento como este que provocou Agostinho a exclamar um tanto impetuosamente em relação à Queda: “O beata culpa!” — Ó bem-aventurada culpa que, por consequência, tem sido manifesta a misericórdia abundante de Deus! Visto sob um aspecto, todo o pecado é uma calamidade indescritível, mas ao ter tido o efeito de expor ainda mais a incomparável misericórdia de Deus na Pessoa de Jesus Cristo, percebemos como, do mal, Deus faz vir o bem!

O ponto principal da parábola é a alegria do pastor proveniente do achado da ovelha perdida. Nosso Salvador não precisou de nenhuma outra razão para preocupar-se com publicanos e pecadores a não ser o fato de que Ele obteria muito mais alegria proveniente deles do que proveniente dos Fariseus e escribas, mesmo que fossem aquilo que professavam ser: “pessoas justas, que não necessitavam de arrependimento nenhum”. Este primeiro painel da pintura demonstra a obra do Filho de Deus. Por que não foi colocada em primeiro lugar a obra do Pai, visto que a Trindade é “o Pai, o Filho e o Espírito Santo”? Por que é que também, na bênção, Paulo escreve: “A Graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo estejam com todos vós!”[30] Por que? Porque o amor de Cristo é a primeira coisa que o pecador apercebe-se! Nossa primeira experiência cristã não é, por via de regra, um conhecimento do Espírito Santo ou do Pai, mas, para nossa percepção, é Jesus Cristo que primeiro é revelado a nós. Penso que é por esta razão que a obra do Filho de Deus é aqui demonstrada em primeiro lugar.

 

8-10. Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas[31], se perder uma, não acende a candeia, varre a casa e procura diligentemente até encontrá-la? E, tendo-a achado, reúne as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque achei a dracma que eu tinha perdido. Eu vos afirmo que, de igual modo, há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.

Como já disse em relação à ovelha perdida, houve uma nova alegria na recuperação da moeda de prata perdida. A mulher sempre regozijava-se com as moedas de prata, mas aquela moeda particular tinha sido a causa de uma nova alegria — a alegria que é experimentada sempre quando a dor da perda é preponderada pela alegria de reencontrar aquela que estava perdida! Será que a intenção é que esta mulher represente a Igreja de Cristo, e assim sendo, ela nos é apresentada porque a Igreja é a grande agente, sob o controle do Espírito Divino, na busca do perdido, levando a candeia acesa da Palavra, varrendo com a vassoura da determinação, pregando com fé, aplicando a Lei do Senhor à consciência do homem e virando tudo às avessas até, por fim, a moeda de prata perdida ser encontrada? Se assim for, este segundo painel da pintura apresenta a obra do Espírito Santo conforme é executada através da Igreja de Cristo.

 

11-13. Continuou: “Certo homem tinha dois filhos; o mais moço deles disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte dos bens que me cabe.’ E ele lhes repartiu os haveres. Passados não muitos dias — pois o pecado é muito rápido em seu desenvolvimento e os pecadores têm grande pressa em afastar-se de Deus. O coração do jovem já estava em erro, senão não teria desejado ser seu próprio mestre. Ele já estava fora no país distante — tão longe quanto inquieto estava seu coração — e não demorou muito para que seu corpo fosse em seguida. “Passados não muitos dias…”

 

13-15. … o filho mais moço, ajuntando tudo o que era seu, partiu para uma terra distante e lá dissipou todos os seus bens, vivendo dissolutamente. Depois de ter consumido tudo, sobreveio àquele país uma grande fome, e ele começou a passar necessidade. Então, ele foi e se agregou a um dos cidadãos daquela terra, e este o mandou para os seus campos a guardar porcos.

Era o emprego mais degradante que um hebreu pudesse conseguir, e, de semelhante modo, o pecado, antes de ser concluído, produz degradação em seu caminho para a morte!

 

  1. Ali, desejava ele fartar-se das alfarrobas que os porcos comiam; mas ninguém lhe dava nada.

“Desejava ele fartar-se das alfarrobas que os porcos comiam”, mas não podia, porque era um homem e não um dos porcos. Mundanos estão felizes com seu próprio modo pobre, e eu, por exemplo, jamais sinto inveja deles por suas alfarrobas. Uma pessoa jamais ansiaria a lavagem que é dada aos porcos. — Enchemos o coxo deles tanto quanto queiram e jamais desejamos experimentar o mínimo que seja! De maneira que, quando pecadores estão cheios de alegrias mundanas, não nos é permitido invejá-los e tampouco culpá-los. Que os porcos tenham suas alfarrobas. Outrora, teríamos também desejado encher nossa barriga com elas — e se não o fizemos, não foi porque não desejaríamos, mas porque não seríamos capazes.

 

  1. Então, caindo em si.

Pois pecado é insanidade! Ele estava fora de si enquanto esteve agindo de modo tão estúpido — “Então, caindo em si“.

 

17-19. Disse: Quantos trabalhadores de meu pai têm pão com fartura, e eu aqui morro de fome! Levantar-me-ei e irei ter com o meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus trabalhadores.

Foi o conhecimento de que havia fartura na casa de seu pai que o fez voltar! E pode se fiar nisto, que a pregação da plena salvação rica em bênção é uma forte persuasão para fazer o pecador exclamar: “Levantar-me-ei e irei ter com meu Pai“. Este filho pródigo poderia jamais ter voltado se seu pai mantivesse uma casa em penúria com uma mesa escassa. Mas ele sabia que até os servos na cozinha tinham “pão com fartura”. Seu pai nunca os restringiu — tinham o que necessitavam, e sempre havia mais do que conseguiam comer — portanto, não havia necessidade nenhuma para que seu filho “morresse de fome”. De modo semelhante, a liberalidade semelhante de Deus em Cristo Jesus — a riqueza de Sua Redenção gratuita é, não tenho dúvida, o meio de trazer muitas almas famintas a Cristo.

O pródigo disse que os trabalhadores tinham “pão com fartura“. Há alguns que parecem pensar que em Cristo há apenas pão suficiente, mas acreditamos que a ideia mais ampla possível de Sua Redenção pode ser tratada com excessiva generosidade e, muitas vezes, o pensamento que entra primeiro no ouvido e coração do pecador é que se há “pão com fartura”, por que então não deveria ele ter, pelo menos, um pouco do pão excedente? Esse foi o modo como o pródigo raciocinou. Ele tinha certeza de que seu pai podia alimentar outro trabalhador a ser empregado, portanto, resolveu que pediria para ser contratado naquela condição. No entanto, sabe-se que ele jamais chegou a pedir aquilo — seu pai interceptou-o antes que ele pudesse fazer aquele pedido.

 

  1. E, levantando-se, foi para seu pai. Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou. Talvez, antes que ele avistasse seu pai — “seu pai o avistou”.
  2. E, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou.

O comentário de Matthew Henry[32] sobre este versículo é excelente — “‘Seu pai o avistou’. Aqui havia olhos de misericórdia. ‘E, compadecido dele’. Aqui havia um coração de misericórdia. ‘Correndo’. Aqui havia pés de misericórdia. ‘O abraçou’. Aqui havia braços de misericórdia. ‘E beijou.’ Aqui havia lábios de misericórdia.” Era tudo misericórdia, do começo ao fim!

 

  1. E o filho lhe disse. O pai beijou seu filho antes que ele tivesse tempo para dizer qualquer coisa! E a compaixão Divina é mais veloz que nossas orações.

 

21, 22. Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho. O pai, porém, disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa, vesti-o.

Ele não o deixou terminar sua oração com o pedido de que poderia ser contratado como seu empregado. Essa parte que era legítima ele interrompeu com um beijo e, em seguida, disse a seus servos: “Trazei depressa a melhor roupa, vesti-o.”

 

22-24. Pondo-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés; trazei também e matai o novilho cevado. Comamos e regozijemo-nos, porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado. E começaram a regozijar-se.

Esta, porém, foi uma alegria nova naquele círculo familiar! Houve alegria quando o irmão mais velho nasceu e alegria quando o filho mais jovem chegou ao lar — mas esta alegria sobre seu retorno foi tal, que jamais teriam conhecido se ele não tivesse ido embora. Portanto, existe alegria a ser obtida mesmo proveniente de pecadores. O objetivo de Cristo foi mostrar que, mal como eram os publicanos e outros pecadores graves, e desprezados como eram pelos fariseus e escribas, ainda assim havia alegria a ser obtida proveniente deles. Por sua salvação, o próprio coração de Deus enche-se de júbilo!

 

  1. Ora, o filho mais velho estivera no campo; e, quando voltava, ao aproximar-se da casa, ouviu a música e as danças.

O filho mais velho em nossos dias: “Eu não creio nestes cultos de avivamento. Eu gosto da forma regular, ordeira, e não aprovo estes ajuntamentos de tantas pessoas vindo para ouvir a Palavra com excitação tão imprópria em que certamente deve resultar.” O irmão mais velho pensava que sabia de tudo e mais alguma coisa. Ele não foi tomado pela excitação, como as outras pessoas — era velho demais para isso — ele era um homem de hábitos muito corretos e gostava de tudo feito num estilo ortodoxo frio.

 

  1. Chamou um dos criados e perguntou-lhe que era aquilo. “O que todos vocês estão fazendo? Perderam a cabeça? Por que todos vocês estão dançando? Quem vai pagar essa música? Era melhor que vocês estivessem comigo no campo trabalhando. Qual o sentido de toda esta folia?”

 

  1. E ele informou: Veio teu irmão, e teu pai mandou matar o novilho cevado, porque o recuperou com saúde. Esses servos falaram como alguns de nós têm relatado a outros o que o Senhor tem feito quando almas têm sido salvas — o pecador ativo e aqueles que estavam distantes de Deus em razão de obras más têm retornado para Ele. Temos relatado isso na simplicidade de nossos corações e temos estado tão alegres de relatar as boas novas que sentimos como se pudéssemos continuar dançando com a música enquanto realizamos a narrativa!

 

  1. Ele se indignou e não queria entrar; saindo, porém, o pai, procurava conciliá-lo[33]. Eu nunca sei o que admirar mais — o amor do pai em ir encontrar o pródigo de regresso ou em sair para conversar com este irmão mais velho de coração frio. Ele era um filho, mas não possuía o verdadeiro espírito de seu pai — ele incorreu num estado mental muito errado — exatamente igual a certos cristãos que conheço os quais têm sempre sido muito corretos e que possuem pouca simpatia por aqueles que são grandes pecadores. Parece como se não quisessem ver pessoas como essas trazidas ao Salvador. “Por quê?”, exclamam eles, “há moças da rua e homens que têm sido assaltantes e toda a sorte de ralé sendo trazida para dentro da igreja!” Tenho ouvido tais comentários e tenho visto o mesmo tipo de espírito exposto nos olhares de outros que não gostariam de dizer o que pensam. Mesmo não sendo eles próprios nenhum pouco melhores que outros por natureza, contudo, a Graça tem feito muito em contê-los do pecado no qual outros têm caído — e foi um erro eles conversarem como se fossem puros legalistas, tal como fez este farisaico irmão mais velho!

 

  1. Mas ele respondeu a seu pai: Há tantos anos que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos.

Um cristão desta espécie parece dizer ao Senhor: “Tenho sido Teu filho todos estes anos, no entanto, estou ainda cheio de dúvidas e temores. Não tenho nem um pouco destas grandes alegrias que vejo estas outras pessoas possuírem! ‘Nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos.’ Estou triste cada manhã e vou suspirando o dia inteiro. Parece que consigo apenas um pequeno consolo, no entanto, aqui se encontram estes jovens que foram salvos não faz uma semana — parecem cheios de autoconfiança e estão felizes o máximo. Com certeza não podem pertencer à provada família de Deus! Como é que conseguem ser sinceros com toda aquela música e dança? Não posso suportar isso, pois nunca tive experiência igual.”

 

30, 31. Vindo, porém, esse teu filho, que desperdiçou os teus bens com meretrizes, tu mandaste matar para ele o novilho cevado. Então, lhe respondeu o pai: Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo o que é meu é teu.

Pense nisso, vocês que são povo de Deus, mas têm incidido num murmurante estado de coração. Não estão vocês sempre com seu Senhor e tudo que Ele possui não é de vocês? Se você nunca teve um cabrito para alegrar-se com seus amigos, de quem é a culpa? Seu Pai jamais negou isso a você. Tudo na casa Dele é seu, portanto, aceite e alegre-se com o bem que Ele lhe provê, porque então você estará em condições de ir encontrar seu pobre irmão que regressa e de recebê-lo com um sorriso no rosto e com um coração alegre!

 

  1. Entretanto, era preciso que nos regozijássemos e nos alegrássemos, porque esse teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado.

Após essa resposta, não havia mais nada que pudesse ser dito, mesmo por um irmão mais velho murmurador.

ORE PARA QUE O ESPÍRITO SANTO USE ESSE SERMÃO PARA EDIFICAÇÃO DE MUITOS E SALVAÇÃO DE PECADORES.

 

 

FONTE

Traduzido de http://www.spurgeongems.org/vols49-51/chs2863.pdf

Todo direito de tradução protegido por lei internacional de domínio público

 

Sermão nº 2863—Volume 49 de The Metropolitan Tabernacle Pulpit,

Tradução: Marcelo Barros

Revisão: Cibele Cardozo

Capa: Salvio Bhering

Projeto Castelo Forte

www.projetocasteloforte.com.br

 

Você tem permissão de livre uso desse material, e é incentivado a distribuí-lo, desde que sem alteração do conteúdo, em parte ou em todo, em qualquer formato: em blogs e sites, ou distribuidores, pede-se somente que cite o site “Projeto Castelo Forte” como fonte, bem como o link do site www.projetocasteloforte.com.br. Caso você tenha encontrado esse arquivo em sites de downloads de livros, não se preocupe se é legal ou ilegal, nosso material é para livre uso para divulgação de Cristo e do Evangelho, por qualquer meio adquirido, exceto por venda. É vedada a venda desse material

SAIBA MAIS SOBRE C.H.SPURGEON EM:

Projeto Spurgeon – Proclamando a CRISTO crucificado.

www.projetospurgeon.com.br

[1]Atos 9:4.

[2]Colossenses 2:9.

[3]Efésios 1:6.

[4]Tiago 1:15 (Bíblia de Jerusalém).

[5] 2 Coríntios 5:11 KJV: the terror of the Lordtemor do Senhor em versões brasileiras.

[6]John Milton (1608- 1674) “foi um poeta, polemista, intelectual e funcionário público inglês da Comunidade da Inglaterra sob Oliver Cromwell, servindo como ministro de línguas estrangeiras. Ele escreveu em um momento de fluxo religioso e agitação política, e é mais conhecido por seu poema épico Paraíso Perdido (1667), escrito em verso branco e que descreve a história cristã da ‘queda do homem’… Escrevendo em Inglês, Latim e Italiano, ele alcançou fama internacional no transcorrer de sua vida…” (wikipedia).

[7]Mateus 26:36-46, Marcos 14: 32:42 e Lucas 22:39-45.

[8]Lucas 22:44.

[9] O pregador refere-se ao famoso Cemitério das 366 covas, realizado na metade do séc. XVIII, em pleno iluminismo, por um grande arquiteto florentino, Ferdinando Fuga, perto de Nápoles, em Poggioreale. Funcionou de 1762 a 1890. (Referência: http://www.devia-design.com.br/pdf/2007_08.pdf.)

[10]Salmo 9:17.

[11]O penny corresponde ao valor de um centésimo da libra esterlina, moeda inglesa.

[12]1 João 1:7.

[13]Atos 13:39.

[14]Isaías 1:18.

[15]Atos 16:31.

[16]Isaías 55:1 (Bíblia de Jerusalém).

[17]IMMEDIATE em Inglês, ostentada no envelope poderia significar, no caso, entrega imediata ou urgente, ou venha imediatamente.

[18]Miquéias 7:19.

[19]Isaías 38:17 (Almeida Revista e Corrigida).

[20]Daniel 9:24.

[21]Jeremias 50:20 (KJV).

[22]2 Samuel 6:14.

[23]Romanos 8:1.

[24]Romanos 8:34.

[25]Romanos 8:30.

[26]Romanos 8:38 e 39.

[27]Efésios 1:3.

[28]Efésios 1:7.

[29]Caio Popílio Lenate (173 a.C.), “enviado como um dos embaixadores romanos frente do rei selêucida Antíoco IV Epífanes para advertir que não continuasse a guerra contra o Egito Ptolemaico”. O círculo foi desenhado com uma cana de açúcar quando o monarca oriental comprometeu-se a considerar, não tomando, com essa atitude, nenhuma decisão (Ref.: Wikipedia).

[30]2 Coríntios 13:13.

[31]A dracma antiga era o nome de uma “unidade monetária encontrada em muitas cidades-estados gregas e Estados sucessores, e em muitos reinos do Médio Oriente do período helenístico” (wikipedia).

[32]Matthew Henry (1662-1714) foi um comentarista sobre a Bíblia e pastor presbiteriano inglês (wikipedia).

[33]Em outras versões: “Seu pai saiu para suplicar-lhe”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *