Esboços da História da Igreja – Capítulo 9 – As últimas perseguições antes de Constantino. (261-313 dC)

Esboços da Historia da Igreja

J.C.Robertson

 

Valeriano, que havia tratado os cristãos tão cruelmente, chegou a um final miserável. Ele conduziu seu exército para a Pérsia, onde foi derrotado e feito prisioneiro. Foi mantido por algum tempo em cativeiro; e conta-se que ele costumava ser conduzido carregado de correntes, mas com as vestes roxas de um imperador jogadas sobre ele, para que os persas pudessem zombar de seus infortúnios. E quando morreu pelos efeitos da vergonha e do sofrimento, diz-se que a pele dele estava cheia de palha e era mantida num templo, como lembrança do triunfo que os persas tiveram sobre os romanos, cujo orgulho nunca tinha sido tão humilhado antes.

Quando Valeriano foi tomado como prisioneiro, seu filho Galiano tornou-se imperador (261 dC). Galiano editou uma lei pela qual os cristãos, pela primeira vez, conseguiram a liberdade de servir a Deus sem o risco de serem perseguidos. Podemos pensar que ele foi um bom imperador por fazer tal lei; mas ele realmente não merece muito crédito por isso, já que parece ter feito isso simplesmente porque não se importava muito com sua própria religião ou com qualquer outra.

 

E agora não há quase nada a dizer sobre os próximos quarenta anos, exceto que os cristãos gozavam de paz e prosperidade. Em vez de serem obrigados a manter seus serviços nos quartos superiores das casas ou nas catacumbas, na calada da noite, começaram a construir esplêndidas igrejas, decoradas com ouro e pratos de prata e outros custosos ornamentos. Os cristãos foram nomeados para altos cargos, até nos governos de nações, e muitos deles ocuparam lugares no palácio do imperador. E, agora que não havia perigo ou qualquer risco de perda por serem cristãos, multidões de pessoas, que se manteriam afastadas caso houvesse algo a temer, juntaram-se à Igreja. Mas, infelizmente, os cristãos não fizeram um bom uso de toda a prosperidade conquistada. Muitos deles se tornaram mundanos e descuidados, tinham pouco de cristão neles, exceto o nome; e discutiam e disputavam entre si, como se não fossem melhores do que meros pagãos. Mas agradou a Deus castigá-los severamente por suas faltas, pois, por fim, surgiu uma perseguição como nunca antes fora conhecida.

Nesse momento, havia quatro imperadores ao mesmo tempo: Diocleciano, que se tornou imperador no ano de 284, depois Maximiano, Galério e Constâncio, para compartilhar seu poder e ajudá-lo no trabalho do governo. Galério e Constâncio, no entanto, não tinham autoridade tão plena quanto os outros dois. Galério casou-se com a filha de Diocleciano, e supunha-se que tanto essa senhora quanto a imperatriz, sua mãe, eram cristãs. Os sacerdotes e outros, cujo interesse era manter o antigo paganismo, começaram a ter medo de que as imperatrizes fizessem que seus maridos virassem cristãos; e eles procuravam uma maneira de evitar isso.

Agora, os pagãos tinham algumas maneiras pelas quais eles costumavam tentar descobrir a vontade de seus deuses. Às vezes, ofereciam sacrifícios de animais e, quando os animais eram mortos, abriam-no e julgavam pela aparência do interior, para ver se os deuses estavam satisfeitos ou irritados. Em certos lugares havia o que chamavam de oráculos, onde as pessoas que desejavam conhecer a vontade dos deuses passavam por algumas cerimônias e esperavam que uma voz viesse desse ou daquele deus em resposta a elas. Com certeza, a voz muitas vezes veio, embora não fosse realmente de qualquer deus, mas foi gerido pelo malabarismo dos sacerdotes. E as respostas que essas vozes devam foram muitas vezes inventadas de forma muito astuta, que poderiam ter mais de um significado, de modo que, de qualquer modo independentemente do que acontecesse no futuro da pessoa, as previsões do oráculo certamente se tornariam verdadeiras. E agora os sacerdotes começaram a assustar Diocleciano com truques desse tipo. Quando ele sacrificou, observação do interior das vítimas (como os animais oferecidos em sacrifício eram chamados) foi feita de modo a mostrar que os deuses estavam bravos. Quando consultou os oráculos, as respostas foram dadas declarando que, enquanto os cristãos pudessem viver sobre a terra, os deuses ficariam descontentes. E, portanto, Diocleciano, embora no início tivesse se inclinado a deixá-los em paz, ficou aterrorizado e estava pronto para perseguir.

A primeira ordem contra os cristãos era uma proclamação que exigia que todos os soldados e todas as pessoas que ocupavam algum cargo sob autoridade do imperador deveriam sacrificar aos deuses pagãos (298 dC). E cinco anos depois disso, Galério, que era um homem cruel, e muito amargo contra os cristãos (embora sua esposa supostamente fosse uma), persuadiu Diocleciano a iniciar uma perseguição com seriedade.

Diocleciano geralmente não morava em Roma, como os primeiros imperadores, mas em Nicomédia, uma cidade na Ásia Menor, à margem do Propontis (agora chamado Mar de Mármora). E aí começou a perseguição, ao enviar uma ordem em que todos os que não servissem aos deuses de Roma perderiam seus cargos; que seus bens deveriam ser apreendidos e, se fossem pessoas de nível, deveriam perder sua classificação. Os cristãos não podiam mais se encontrar para a adoração; suas igrejas deveriam ser destruídas e seus livros sagrados deveriam ser procurados e queimados. Assim que esta proclamação foi estabelecida, um cristão derrubou-a e começou a dizer reprovações contra os imperadores. Tais atos e palavras violentas não estavam tornando-o um seguidor de Cristo que, “Quando insultado, não revidava; quando sofria, não fazia ameaças“(1 Pedro 2.23). Mas o homem que se esquecera até agora, mostrou a força de seus princípios na paciência com que suportou o castigo ao que ele fez, pois foi assado vivo em um fogo lento e nem sequer soltou um gemido.

Isso foi em fevereiro de 303; e antes do final desse ano, Diocleciano apresentou mais três proclamações contra os cristãos. Em uma delas ordenou que os professores cristãos fossem presos; e logo as prisões estavam cheias de bispos e clérigos, enquanto os malfeitores que costumavam ser confinados estavam soltos. A próxima proclamação ordenou que os prisioneiros deveriam sacrificar ou ser torturados; e o quarto dirigiu que não só os bispos e clérigos, mas todos os cristãos deveriam sacrificar sob pena de tortura.

Essas leis cruéis foram implementadas. As igrejas foram demolidas, começando com a grande igreja de Nicomédia, que foi construída em uma colina, em seu lugar foi construído o palácio do imperador. Todas as Bíblias e os livros de serviço que poderiam ser encontrados e um grande número de outros escritos cristãos foram lançados nas chamas; e muitos cristãos que se recusaram a desistir de seus livros sagrados foram mortos. Os utensílios das igrejas foram levados e usados para assuntos profanos, como os vasos do templo judeu tinham sido anteriormente por Belsazar.

Os sofrimentos dos cristãos foram espantosos, mas depois do que já foi dito sobre essas coisas, não vou chocar você descrevendo muito sobre eles aqui. Alguns foram jogados para os animais selvagens; alguns foram queimados vivos ou assados na grelha; alguns tiveram suas peles arrancadas, ou sua carne raspada dos seus ossos; alguns foram crucificados. Alguns foram amarrados a ramos de árvores, que tinham sido curvados, e então eram feitos em pedaços pelo começo do despedaçamento dos galhos. Milhares deles pereceram por uma morte horrível ou outra, de modo que os próprios pagãos se cansaram e enojaram-se de infligir ou ver seus sofrimentos; e finalmente, em vez de matá-los, enviavam-nos para trabalhar em minas ou arrancavam um de seus olhos, ou aleijavam uma das mãos ou pés, ou estabeleciam bispos para cuidar de cavalos ou camelos, ou para fazer outro trabalho impróprio para pessoas de seu caráter venerável. E é impossível pensar que misérias, mesmo aqueles que escaparam, devem ter sofrido, pois a perseguição durou dez anos, e eles não só tinham que testemunhar os sofrimentos de seus familiares queridos, de amigos ou professores, mas sabiam que isso poderia acontecer, a qualquer hora, com eles.

Era no Oriente que a perseguição era mais quente e durou mais tempo; pois na Europa não se sentiu muito depois dos dois primeiros anos. O Imperador Constâncio, que governou a Gália (agora chamada França), a Espanha e a Grã-Bretanha, era gentil com os cristãos, e depois de sua morte, seu filho Constantino foi ainda mais favorável a eles. Houve várias mudanças entre os outros imperadores, e os cristãos os sentiram melhor ou pior, de acordo com o caráter de cada imperador; mas é desnecessário falar muito deles em um pequeno livro como este. Galério prosseguiu em sua crueldade até que, no final de oito anos, descobriu que não tinha sido útil tentar acabar com o Evangelho e que estava afundando sob uma doença terrível, algo semelhante com aquela que Herodes, que havia matado a Tiago, sofreu (Atos 12.23). Ele então pensou com tristeza e horror no que havia feito, e (talvez com a esperança de obter algum alívio do Deus dos cristãos) enviou uma proclamação que lhes permitisse reconstruir suas igrejas e realizar a sua adoração e implorou para eles se lembrarem dele em suas orações. Logo depois disso, morreu (311 dC).

O mais cruel de todos os perseguidores foi Maximino, que, a partir do ano 305, possuía a Ásia Menor, a Síria, a Terra Santa e o Egito. Quando Galério fez sua lei em favor dos cristãos, Maximino por um tempo fingiu dar-lhes o mesmo tipo de liberdade em seus domínios. Mas logo mudou novamente e exigiu que todos os seus súditos sacrificassem – mesmo os pequenos bebês deveriam tomar alguns grãos de incenso às mãos e deviam queimar em homenagem aos deuses pagãos; e quando uma estação de grande abundância seguiu depois disso, Maximino se gabou de que era um sinal do favor com que os deuses receberam sua lei. Mas logo apareceu o quão falsa era a sua alegria, pois a fome e a peste começaram a atingir todo o seu domínio. Os cristãos, é claro, tiveram sua participação na angústia; mas em vez de triunfar sobre seus perseguidores, mostraram o verdadeiro espírito do Evangelho, tratando-os com bondade, aliviando os pobres, cuidando dos doentes e enterrando os mortos, que foram abandonados.

Embora não haja espaço para dar uma descrição particular dos mártires aqui, há um deles que, em especial, merece ser lembrado, porque foi o primeiro que sofreu em nossa própria ilha. Esse bom homem, Albano, enquanto ainda era pagão, encontrou um pobre sacerdote cristão, que estava tentando esconder-se dos perseguidores. Albano o levou para a casa dele e o abrigou; ficou maravilhado ao observar como o ministro orava a Deus e passava longas horas da noite em exercícios religiosos, então, logo se tornou um crente em Cristo. Mas o presbítero estava sendo procurado, e disseram que estava escondido na casa de Albano. Quando os soldados foram buscá-lo, Albano sabia da missão deles, e vestiu a roupa do sacerdote, para que os soldados o prendessem e o levassem diante do juiz. O juiz descobriu que haviam trazido homem errado e, com sua raiva pela decepção, disse a Albano que ele mesmo deveria suportar o castigo que tinha sido destinado para o outro. Albano ouviu isso sem qualquer medo, e ao ser questionado, declarou que era um cristão, um adorador do único Deus verdadeiro, e que não sacrificaria aos ídolos que não podiam fazer nada de bom. Foi levado à tortura, mas suportou com prazer pelo amor ao seu Salvador, e então, como ainda estava firme professando sua fé, o juiz ordenou que fosse decapitado. Quando foi levado para o local de execução, que era uma pequena terra gramada que subia suavemente de um lado da cidade, o soldado, que deveria matá-lo, ficou tão emocionado com o comportamento de Albano, que jogou a espada e desejava ser morto com ele. Ambos foram decapitados e a cidade de Verulam, onde sofreram, ficou sendo chamada de St. Alban, nome do primeiro mártir britânico.

Esse martírio ocorreu no início da perseguição. Mas, como vimos, Constâncio protegeu os cristãos britânicos, e seu filho Constantino, que conseguiu sua parte no Império, tratou-os com um favor ainda maior. No ano 312, Constantino marchou contra Maxêncio, que usurpou o governo da Itália e da África. Constantino parece ter sido criado por seu pai para acreditar em um Deus, embora não soubesse quem era esse Deus, nem como Ele se revelou na Sagrada Escritura. Mas enquanto estava a caminho de lutar contra Maxêncio, viu no céu uma aparição maravilhosa, que parecia ser a figura de uma cruz, com palavras ao redor – “Por isto conquistará!” Ele então fez com que a cruz fosse colocada nos estandartes e escudos de seu exército; e quando derrotou Maxêncio, erigiu em Roma, uma estátua de si mesmo, com uma cruz em sua mão direita, com uma inscrição que declarava que ele devia sua vitória àquele sinal salvador. Ao mesmo tempo em que Constantino superou Maxêncio, Lícinio derrubou Maximiano no Oriente. Os dois conquistadores agora possuíam todo o Império e se uniram para publicar leis pelas quais os cristãos foram autorizados a adorar livremente a Deus de acordo com a sua consciência (313 dC).

 

FONTE: https://www.ccel.org/ccel/robertson/history.html 

TRADUÇÃO: Douglas Moura

Revisão: Cibele Cardoso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *