A Tinturaria Celestial – Como ter a consciência mais alva do que a neve (Paco Orozco)

10151564_10202320176264191_570365466_nSermão pregado no domingo, 10 de fevereiro de 2013

pelo pastor Paco Orozco

Na Igreja Bíblica Monte Horebe, em Hermosillo, Estado de Sonora, México.

BAIXE EM PDF

BAIXE EM EPUB

BAIXE EM MOBI

Lava-me mais e mais de meu pecado, limpa-me da minha iniquidade.” Salmo 51:2 (tradução da Reina-Valera[1])

Como Igreja estamos memorizando essa passagem que acabamos de ler, os primeiros doze versículos do Salmo 51, um versículo por mês, e neste mês nos cabe memorizar o segundo versículo, onde Davi roga “Lava-me mais e mais de meu pecado, limpa-me da minha iniquidade.” Salmo 51:2

Antes de começar nosso estudo, irei pedir-lhes um favor, ao meditarem nesse texto, não pensem “que pena que o irmão Tibúrcio não veio” ou “esse sermão é perfeito para irmã Xuchita[2]”, não, não, pensemos em nós mesmos. Nesse versículo, Davi descreve “minha maldade”, “meu pecado”. Ele faz isso pessoalmente, ele aceita o pecado como seu, sua maldade como sua. Ele não pensa no pecado de Saul, não pensa no pecado de Bate-Sabe, no pecado de seus filhos; não, ele pensa em SEU pecado. O Salmo trata de seu pecado pessoal, ele é muito pessoal.

E não somente nesse salmo, em qualquer estudo feito na palavra de Deus, o diabo irá tentá-lo a pensar nos pecados de seus pais, nos pecados de seus tios, nos pecados de sua esposa, nos pecados de seu esposo, nos pecados de seu filho, nos pecados de seu irmão, nos pecados de sua irmã, nos pecados de seus companheiros de trabalho, nos pecados de seus colegas de escola. Portanto, para que esse versículo e os outros versículos da Bíblia façam efeito, você tem que fazer desses pecados, pecados pessoais, se apropriar deles. Portanto, aqui, pense no pecado que o assedia, o pecado que está em sua consciência, em seu coração.

I. Muito bem, com isso em mente, comecemos nosso estudo. O versículo 12 diz “Lava-me mais e mais de meu pecado, limpa-me de minha iniquidade.” E o primeiro tópico que sobressai ao examinar esse versículo é que temos que aprender que o pecado suja. O pecado suja, por isso Davi diz “Lava-me, limpa-me”; por isso ele roga, por isso clama ao Senhor: “Lava-me, limpa-me” porque ele sabia que o pecado e sua maldade tinham manchado sua consciência.  Ver Bate-Sabe banhando-se, seu adultério com ela, embebedar Urias, assassiná-lo tinham enegrecido seu coração, tinham lhe deixado imundo, asqueroso por dentro. Se alguém nesse dia tivesse feito em Davi uma cirurgia e tivesse aberto seu coração, essa pessoa encontraria seu coração espiritual cheio de manchas, como piche de asfalto que, se você toca, mancha e não se pode tirar nem com gasolina.

E realmente lhe direi que é assim com sua vida, em sua consciência e em seu coração. Cada vez que você se ira com seus pais, aparece uma mancha em seu coração. Se você vê mulheres nuas na internet, aparece outra mancha em seu coração. Se você cobiça a casa de sua amiga, aparece-lhe outra mancha. Se você responde mal a seus pais, aparece outra mancha. Se você duvida do amor de Deus, aparece outra mancha. E assim seu coração vai se enegrecendo com os pecados que você sempre comete diariamente.

E o problema aqui não é que somente essas manchas produzam em você remorso; quem dera que lhe produzam remorsos, que sua consciência não esteja cauterizada; realmente tomara que você sinta a culpa deles. Porém, o grande problema dessas manchas, do pecado e da maldade, é que essa sujeira o aparta de Deus. Essa lição era muito mais fácil de se entender nos dias de Israel, pois muitos de seus ritos ensinavam essa verdade. Nesse tempo haviam animais limpos e animais imundos; animais que eles sabiam que poderiam comer e que poderiam sacrificar a Deus, e animais imundos que, obviamente, não poderiam usar para fazer tais coisas. Os leprosos, vocês se recordam, estavam sujos, estavam imundos. As pessoas não podiam tocar neles nem se aproximar deles, por isso quando os leprosos saíam em público tinham que se tapar e gritar “Imundo! Imundo! Imundo!” para que as pessoas não se contaminassem. Tais leprosos não podiam viver na cidade, porém, o mais trágico de sua imundícia é que não podiam entrar no Templo, não podiam se aproximar de Deus, não podiam adorar a Deus por conta de sua imundícia. Mais sobre isso você pode ler em Levítico 13.

Em nossos dias também entendemos essa lição. Se nós acabamos de chegar da academia, por exemplo, e estamos completamente suados e sujos, e um amigo chega e nos diz: “Irei lhe apresentar ao Presidente da República”. Você diria “Como! Espera, irei tomar um banho, me arrumar, tirar a barba, etc”. Claro que nós queremos estar prontos e apresentáveis ao nos encontrar com o Presidente. E por isso, irmãos, Davi quis estar bem limpo de seu pecado, e por isso diz “lava-me mais e mais, limpa-me de meu pecado”. Ele queria poder aproximar-se de Deus; ele queria que Deus recebesse suas orações, seus hinos, os salmos que ele escreveu, suas ações de graças.

II. Agora, isso nos leva à segunda lição que sobressai do texto. Que nós devemos ter um grande desejo de sermos lavados completamente de nosso pecado. Devemos ter um grande anseio, um grande desejo por tal coisa. Vocês notaram que Davi repete sua petição? Ele diz Lava-me mais e mais de minha maldade e limpa-me de meu pecado”. No fim das contas o que ele diz é o mesmo, uma repetição de ideias, que certamente é uma característica da poesia hebraica. Na poesia mexicana ou espanhola gostamos muito da rima, porém, a poesia hebraica possui muitos sinônimos, muitos antônimos, usa-se muito o paralelismo. A repetição em si ressalta a ansiedade de Davi. Ele quer ser lavado, tem um grande desejo de ser limpo de seu pecado.

E não se nota isso somente nessa repetição, mas através de todo esse salmo, pois ele usa outras expressões que dizem o mesmo; no primeiro versículo ele diz “Apaga minhas transgressões”. No versículo sete ele diz “purifica-me, lava-me”. No versículo nove ele diz “esconde Seu rosto de meus pecados, apaga minhas maldades”. Davi se sente muito mal, sente-se muito sujo. E por assim dizer, não lhe importa o castigo no fim das contas, o que afeta Davi é seu pecado, ele sabe que esse é seu grande problema, e quer resolvê-lo, porque ele está afetando sua consciência, mas sobretudo, porque Davi sabe que seu pecado é contra Deus.

E o texto enfatiza isso, pois diz que Davi queria ser lavado “mais e mais”. A expressão realmente deve ser lida como “lava-me multiplicadamente, abundantemente”. Em Isaías 55, que certamente nós aprendemos, a mesma expressão “mais e mais” é traduzida como amplamente, quando diz no versículo 7 “deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos, e se converta ao Senhor, que se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque será amplo  em perdoar”. Aí está a mesma palavra no grego. Davi diz “lava-me amplamente, multiplicadamente, abundantemente, multiplica esta lavagem, esta limpeza”. Davi queria ser lavado de tal forma que não restasse mancha alguma nele, queria ser lavado e limpo completamente de todo pecado e de toda culpa porque sabia que uma manchinha, uma imundice, uma sujeira somente, o separava de Deus.

III. Agora, você vai chegar a esse ponto em sua vida quando se convencer de que seu pecado é uma grande maldade; essa é a primeira palavra que Davi usa aqui, notem “Lava-me mais e mais de minha maldade”. E nós chegaremos a esse ponto de, desesperados, orar ao Senhor e rogar a Ele “limpa-me, lava-me” quando nós mesmos entendamos que nosso pecado é uma maldade. Que diante de Deus seu orgulho, seu elitismo, seu rancor, sua preguiça é uma maldade. Essa palavra no original é interessante. Ela nos ensina que o pecado, no fim das contas, é muito mal, pecaminoso, abundantemente pecaminoso, como diz Paulo em Romanos, porque nós pervertemos a ordem de Deus. Deus quer que falemos a verdade, e nós falamos mentiras, falamos más palavras. Deus quer que amemos aos demais, e nós odiamos e invejamos. Deus quer que honremos nossos pais, e nós os desobedecemos. Deus nos dá coisas, nos dá alimentos, mas estamos cheios de avareza e glutonaria. Pervertemos a ordem do matrimônio. É incrível, nunca pensei que o veria em meus dias, mas já é oficial, nos EUA em alguns estados, homens podem se casar com homens, mulheres podem se casar com mulheres; que perversão da lei de Deus! Mais grave ainda, pervertemos a adoração de Deus. Queremos adorar ao Senhor conforme nossa imaginação, quando nós quisermos e como quisermos. Essa é a grande maldade do homem.

Porém, seguindo adiante, Davi não fala somente de maldade. Davi também fala “limpa-me do meu pecado”. Aqui está outra descrição, outra palavra que Davi usa que geralmente se usa para traduzir pecado, na Bíblia a encontramos 580 vezes, e significa no original “errar, falhar, desviar do caminho, não acertar no alvo”.

Imaginem que vocês estão jogando tiro ao alvo, numa dessas placas com alvos redondos bem grandes, com círculos no meio. Agora, o objetivo do jogo se trata de acertar na mosca do alvo, no centro e nada além desse centro. Se você falha e não acerta no centro, você perde. É disso que se trata o pecado, trata-se de não acertar no alvo, não acertar na marca que Deus mesmo colocou. Deus colocou uma marca, um centro, um parâmetro, um padrão, e nós falhamos, não cumprimos, não acertamos no centro do alvo. Deus colocou a marca “mulheres, sejam submissas” e aos homens “amais vossas mulheres como Cristo amou a Igreja”, e nós falhamos. Deus colocou a marca “filhos, sejam obedientes a seu pai e sua mãe”, e nós falhamos. Deus colocou a marca “empregados, tratai de trabalhar com diligência, como a Cristo”, e nós falhamos. Deus colocou a marca “guardem seu corpo em santidade”, e nós falhamos.

O grande problema de tudo isso, irmãos, é que a Lei diz que se nós acertamos no centro do alvo, iremos viver, mas se nós não acertamos no centro, nosso castigo é a morte. Por isso que Davi com urgência diz “lava-me de meu pecado, limpa-me de minha maldade”, ele falhou tanto, perverteu, não acertou o alvo, e ele quer que Deus o limpe, pois Davi sabe que Deus é o único que pode limpá-lo.

VI. E disso se trata o seguinte ponto, que nós devemos reconhecer que Deus é o único que pode nos lavar e nos limpar de nosso pecado. “Tem misericórdia de mim, oh Deus, segundo sua misericórdia, conforme a multidão de suas piedades; apaga minhas rebeliões. Lava-me mais e mais de meu pecado, limpa-me de meu pecado”. Ele está rogando a Deus, pois sabe que Deus é o único que pode limpá-lo. Nós mesmos não podemos nos lavar de nossos pecados, não podemos nos limpar de nossas maldades; não temos com que fazer isso, não temos nenhum mérito diante de Deus.

E claro, isso não se trata de algo exterior; não se trata de que pudéssemos nos banhar com água benta; não se trata de que pudéssemos nos limpar com algum tipo de sabão. Como Deus diz em um dos profetas: “ainda que te laves com salitre, e amontoes sabão, a tua iniquidade está gravada diante de mim, diz o Senhor DEUS.” (Jeremias 2:22).

Ora, aqui o homem trata, de alguma maneira, de encontrar alguma forma com que Deus o perdoe pelas coisas que faz. Por exemplo, existem pessoas que caem em algum pecado, e para se limparem, para terem algo do perdão de Deus, para lavar sua maldade, quando chega a hora do Teleton[3], doam muito. Elas estão com suas esmolas, alguns vão caminhando numa peregrinação a alguma santa, etc.

Mas vamos falar agora dos cristãos. Dos cristão que estão aqui. Que acontece quando pecamos? Aí está nossa consciência, que nos incomoda, e nos sentimos muito mal. O que acontece, o que fazemos? “Bom”, pensamos, “irei ofertar mais. Irei ler mais a Bíblia. Irei orar mais. Irei mais a igreja. Irei distribuir mais folhetos”. Claro que isso tudo não é ruim, porém, irmãos, essas coisas não nos limpam de nenhum pecado. Isso não nos lava de nossas maldades. Só Deus pode nos limpar de nossas maldades. Nós mesmos não podemos nos limpar de nossos pecados; outras pessoas não podem nos limpar de nossos pecados, por mais santas que sejam, mortas ou vivas. Só Deus pode nos limpar de nossos pecados.

Há algum tempo, faz alguns anos, em uma manhã, coloquei uma caneta no bolso de uma das minhas camisas favoritas. Não sei o que houve, se eu a deixei aberta, ou o calorão aqui de Hermosillo, o caso é que, ao fim do dia, eu tirei a caneta e notei no bolso uma mancha negra. O bolso todo estava tingido de tinha negra. Bom, disse, irei levar a camisa na tinturaria, pois não consegui limpar aquilo com nada. Então, pensei, lá eles devem ter algo para tirar essa mancha. Bom, fui na tinturaria, e disse “aqui está o problema”, então, o encarregado, o especialista viu a mancha, e disse “não posso fazer nada, não se pode fazer nada com essa tinta”. O pecado, irmãos, tinge tanto, é tão imundo, tão sujo, que ele só pode ser lavado e limpo na tinturaria celestial. Nenhuma terapia, nenhuma tinturaria desse mundo poderá limpar nosso pecado; tem que ser a tinturaria celestial para fazer a obra.

Por quê? Porque o pecado, em última circunstância, é contra Deus, e esse é o problema. Veja o versículo 4 “Contra ti, contra ti somente pequei, fiz o mal diante de Seus olhos”. O problema é que o pecado é contra Deus, esse é o grande problema, logo, Deus é o único que pode perdoar o pecado. Deus é o único que pode lavar e limpar, porque Ele é o único que pode aplicar o sangue de Cristo aos nossos corações. Ele é o único que pode, para usar o termo bíblico, aspergir o sangue de Cristo em nossas consciências para que elas fiquem limpas. Pedro nos diz que os cristãos são “eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo” (1 Pedro 1:2). Isso que limpa nosso coração, isso que limpa nossa consciência!

Vejam comigo Hebreus 9. Encanta-me e fascina-me o livro de Hebreus, e aqui está um dos meus versículos favoritos: “Porque, se o sangue dos touros e bodes, e a cinza de uma novilha esparzida sobre os imundos, os santifica, quanto à purificação da carne, quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará as vossas consciências das obras mortas, para servirdes ao Deus vivo?” (Hebreus 9:13-14) Quanto mais é a resposta! O sangue de Cristo! É Deus aplicando o sacrifício de Cristo em nossos corações, em nossas vidas, em nossas consciências, isso é o que nos limpa, e por isso Deus é o único que pode fazer isso por nós.

Algumas irmãs me comentaram sobre o hino 235. Duas irmãs diferentes, não falarei nomes porque a irmã Orozco não está aqui… ah, a irmã Oschelane está aqui! No hinário, o coro diz:

“As mancha de minha alma eu lavei”

Assim alguns cantam, os que estão se guiando pelo hinário. Porém, há alguns outros irmão, esse hino é tão conhecido, que se recordam como isso está escrito no antigo hinário:

“E as manchas de minha alma ELE lavou”

Então, na hora de cantar esse hino, que acontece? Alguns cantam “Ele lavou”, outros cantam “eu lavei”, e evidentemente, há alguma distração, não estamos cantando em uníssono. Bom, para não nos confundirmos, de agora em diante iremos cantar “Ele lavou” é mais bíblico. Irei pedir para uma irmã que se encarregue de editar todos os hinários, com uma letra muito bonita, que em vez de “eu lavei” que aponte “Ele lavou”. Porque isso é o que nos dá esperança, isso que nos emociona e nos dá alegria, que Deus é quem nos lava de todos nossos pecados.

Davi sabia que Deus podia fazê-lo. E mais, ele diz no versículo 7 “purifica-me com hissopo e serei limpo. Lava-me e serei mais branco que a neve”. Davi teria uma consciência limpa, um coração tão limpo, tão branco como a neve. E você também pode ter uma consciência assim, um coração limpo assim, lavado completamente, depois de ter se metido com outra mulher, depois de ter se envolvido com outro homem, Deus pode limpar completamente essa consciência, esse remorso. Você bateu em sua esposa, você bateu no seu esposo, Deus pode limpar isso de sua consciência! Você roubou de seus pais, Deus pode limpar isso de sua consciência. Você atropelou uma pessoa e fugiu! Deus pode limpar isso. Você colou na prova final, Deus pode limpar isso!

Recordem-se do favor que lhes pedi no começo desse sermão, que pensem em seus pecados; essas coisas que estão aí; na juventude talvez: ISSO, Deus pode limpar, meu irmão! Deus pode limpar isso minha irmã, assim como a Davi. Então, rogue ao Senhor: “limpa-me de meu pecado, lava-me mais e mais de minha maldade”. Pede isso pelos méritos de Cristo, pelo sangue de Cristo que o perdoa e purifica sua consciência de toda obra má, que possa servir ao Senhor.

Mas você me diz: “Paco, espere, espere. Eu já fiz isso, eu já orei, eu já pedi ao Senhor, quando você nos sugeriu que lêssemos esse Salmo em forma de arrependimento, eu fui para minha casa, fiquei ali, li o Salmo e orei. Porém, sabe, eu ainda me sinto sujo; ainda me sinto culpado. É que, Paco, você não imagina o que eu fiz”. Existem cristãos, existem crentes que sofrem disso. Vocês sabe qual é o problema? O problema realmente não é sua oração, esse irmão é claro é salvo, o problema é a falta de fé nas promessas de Deus. No fim das contas esse é o problema. Eles são salvos, nós iremos vê-los no céu, porém, são incrédulos, falta-lhes fé, não entendem, não creem que o sangue de Jesus Cristo é poderoso, superpoderoso, infinitamente poderoso para nos limpar de todo o pecado, de toda a maldade. E como diz em 1 João 1 “o sangue de Jesus Cristo nos limpa CONTINUAMENTE de todo pecado” isso é a felicidade e alegria do cristão. CONTINUAMENTE o sangue de Cristo nos limpa de todo o pecado, de toda a maldade. O problema é algo de incredulidade, falta de fé nas promessas de Deus, então, peça ao Senhor fé. Fale ao Senhor como disseram os discípulos: “aumenta-nos a fé”, Diga-lhe o que alguém lhe disse no Evangelho: “Senhor, eu creio, ajuda minha incredulidade”

Irá lhe ajudar, é claro, se você medita nas promessas do Evangelho, e se você as memoriza. Memorize versículos como o de Isaías 1, “Vinde então, e argui-me, diz o Senhor: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã.” Ou a passagem de I Coríntios 6, que é impressionante: “Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. E é o que alguns eram”. ERAM, “mas haveis sido lavados” Lavados de quê? Da avareza, da homossexualidade, da maldição, do roubo, da bebedeira, da idolatria, do adultério! Claro que sim! “Mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus e pelo Espírito do nosso Deus.” (I Coríntios 6:9-11).

Memorize, medite nesses versículos até que entrem em sua consciência e em seu coração para que possam ter essa paz da qual cantamos.

Agora, o que mais vai lhe ajudar é que você medite nas misericórdias de Deus em Cristo. Não se esqueça do primeiro versículo do Salmo 51; esse é o problema quando memorizamos um versículo por mês, que nós separamos os versículos; não podemos separá-los. “Tem misericórdia de mim, oh Deus, conforme Tua misericórdia, conforme a multidão das Tuas piedades, apaga minhas rebeliões, lava-me mais e mais da minha maldade e limpa-me de meu pecado”. Não se esqueça então que é pela graça de Deus, Sua compaixão, Sua misericórdia em Cristo que Ele nos lava. Coloque seus olhos EM CRISTO, coloque seus olhos em Sua cruz, não em suas obras, em sua fé, não em seus méritos, não em seu arrependimento, não em seu fervor, não em suas conquistas como cristão, mas sim coloque seus olhos na graça de Deus em Cristo. Suas conquistas na cruz, Sua ressurreição, Sua intercessão por nós. Então você irá desfrutar do dom de Deus, e terá a paz que sobrepassa todo entendimento.

E o melhor, você irá louvar ao Senhor como ele merece por tanto que o lavou, por tanto que o perdoou, tanto que o limpou. Você irá dizer como o apóstolo João em Apocalipse “E da parte de Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, o primogênito dentre os mortos e o príncipe dos reis da terra. Àquele que nos amou, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados, e nos fez reis e sacerdotes para Deus e seu Pai; a ele glória e poder para todo o sempre. Amém. (Apocalipse 1:5-6)” Amém!

ORE PARA QUE O ESPÍRITO SANTO USE ESSE SERMÃO PARA TRAZER UM CONHECIMENTO SALVÍFICO DE JESUS CRISTO E PARA EDIFICAÇÃO DA IGREJA

FONTE: https://www.youtube.com/watch?v=W1Yeo4z8w0A

Tradução: Armando Marcos

Prova e revisão: Cibele Cardozo

 

Projeto Castelo Forte – Divulgando o Evangelho do SENHOR.

www.projetocasteloforte.com.br

ESSE PROJETO É UMA REALIZAÇÃO “MINISTÉRIO CRISTO CRUCIFICADO

Você tem permissão de livre uso desse material, e é incentivado a distribuí-lo, desde que sem alteração do conteúdo, em parte ou em todo, em qualquer formato: em blogs e sites, ou distribuidores, pede-se somente que cite o site “Projeto Castelo Forte” como fonte, bem como o link do site www.projetocasteloforte.com.br . Caso você tenha encontrado esse arquivo em sites de downloads de livros, não se preocupe se é legal ou ilegal, nosso material é para livre uso para divulgação de Cristo e do Evangelho, por qualquer meio adquirido, exceto por venda. É vedada a venda desse material, exceto pelo autor do mesmo.

 

 



[1] A maior parte das citações bíblicas desse sermão são traduções diretas do espanhol da versão Reina Valera usada no sermão ou são citações modificadas para estar de acordo com a versão usada pelo pastor Paco.

[2] Tibúrcio e Xuchita são nomes fictícios que o pastor Paco usa muito em seus sermões.

[3] Teleton é um programa latino americano onde se doam para instituições de caridade, assim como no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *